quarta-feira, 10
 de 
agosto
 de 
2022

Prepare o bolso: contas de energia terão reajuste de 15% neste mês

Empresa Torssil é um dos empreendimentos que o aumento de luz prejudica diretamente/Foto: O RegionalEm tempos de crise financeira, o consumidor deverá ter mais um motivo para se preocupar. A partir deste mês, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) autorizou um novo reajuste nas tarifas de luz. Para residências e comércio, o aumento médio será de 15,09%, enquanto que para a indústria a alta média chegará a 15,61%.
Em Piên, o proprietário da empresa Torssil Tornearia, Silvio Siqueira, mostra-se receoso com este novo reajuste. “Trabalho neste ramo há mais de 12 anos e cada vez mais as empresas sentem-se sufocadas com estes reajustes, que na grande maioria são abusivos”, relatou Silvio. Em um comparativo dos gastos em energia nos meses de junho de 2014 e 2015, constatou-se que o valor teve um acréscimo significativo. “É uma corrente, com estes aumentos a matéria prima torna-se mais cara e os custos da produção também, com isso, o consumidor final inevitavelmente será afetado também”, ressaltou Silvio.
O empresário Alcemir Nabir Kowal, da escola Unetesc, em Tijucas do Sul, também comparou os custos na tarifa e constatou o aumento. “Em junho de 2014, consumimos 174 kwh, um custo de R$ 73,58. Neste ano, com o fraco movimento, consumimos apenas 97 kwh e o custo ficou em R$ 72,24”, comentou Alcemir, que teve que adotar algumas medidas. “Não deixamos mais os computadores ligados quando não há alunos e as lâmpadas das salas são acesas apenas durante as aulas”, concluiu.
Anualmente as companhias de energia têm direito a um reajuste, o qual é avaliado pela Aneel. Neste ano, no entanto, devido à crise hídrica e ao maior uso de termelétricas, um acréscimo de 38,9% já havia sido autorizado em março. O ajuste fiscal do governo federal também contribui para aumentos mais fortes nas contas de luz em 2015. Isso porque o governo decidiu repassar aos consumidores todos os custos com os programas e ações no setor elétrico, entre eles o subsídio à conta de luz de famílias de baixa renda e o pagamento de indenizações a empresas. Em anos anteriores, o Tesouro assumiu parte dessa fatura, o que contribuiu para aliviar as altas nas tarifas. Para consumidores do sul, sudeste e centro-oeste, as contas de luz vão subir mais neste ano porque a lei prevê que a maior parte desse custo extra seja bancada por essas três regiões.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email