sexta-feira, 1
 de 
julho
 de 
2022

Prefeituras da região vão protestar, mas maioria com portas abertas

Apesar de apoiar o movimento, prefeitura de Piên não irá fechar as portas/Foto: Arquivo / O RegionalEstá agendado para o dia 21, próxima segunda-feira, o protesto que vem sendo estimulado pela Associação dos Municípios do Paraná (AMP) contra a grave crise financeira enfrentada pelas prefeituras. Diante da queda dos recursos repassados aos municípios, a mobilização quer sensibilizar a sociedade e as outras esferas governamentais sobre essa dura realidade.
As prefeituras da região suleste do estado demonstram apoio à mobilização. Porém, das dez, a grande maioria não vai fechar as portas na segunda-feira, apesar do movimento sugerir o fechamento. Apenas a prefeitura de Agudos do Sul estará fechada neste dia. Porém, os serviços essenciais serão mantidos.
Em Piên, por exemplo, a prefeitura demonstrará sua insatisfação com faixas e cartazes, mas estará atendendo. Já em Tijucas do Sul, o secretário de Administração, Hélio Oliveira, diz que uma paralisação poderia afetar a população.
Segundo o prefeito de Rio Negro e presidente da Associação dos Municípios da Região Suleste do Paraná (Amsulep), Milton Paizani, foram percorridas as dez cidades para a distribuição do material para o protesto. “Entregamos cartazes, flyers, entre outros, para repercutir o tema”, conta.
Uma das principais bandeiras é a grave queda de recursos do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Paizani cita que o repasse do FPM de 10 de setembro deste ano em Rio Negro foi de R$ 552 mil, enquanto que no ano passado havia sido de R$ 824 mil no mesmo período. O ICMS também caiu; segundo o prefeito, o último repasse, do dia 15, foi de R$ 386 mil e no ano passado havia sido de R$ 785 mil.
Segundo o prefeito de Agudos, Antonio da Luz, é necessária a sensibilização. “Nossa tesouraria apurou que o que recebemos do FPM na parcela do dia 10 deste mês é praticamente o mesmo valor recebido nesta época em 2009”, exemplifica, mostrando o quão defasado está o repasse. “Temos enxugado os gastos e, se a falta de recursos continuar, teremos que tomar medidas mais duras de contenção”, avisa.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email