terça-feira, 26
 de 
outubro
 de 
2021

Pinhão está liberado para venda

Venda de pinhão/Foto:ArquivoA colheita e venda do pinhão já está permitida no Paraná desde o último dia 15 de abril, conforme normas estabelecidas pelo Instituto Ambiental do Paraná. O objetivo da proibição antes dessa data era garantir a reprodução da araucária, árvore ameaçada de extinção, que ocorre entre os meses de junho e abril, e também evitar que o produto seja consumido ainda sem estar maduro o suficiente. Especialistas afirmam que comer o pinhão antes desse período não é mesmo recomendável, pois ele pode conter fungos.

Segundo o documento, o depósito, comércio ou transporte do pinhão estava proibido antes do dia 15. A pessoa flagrada em uma dessas situações estava sujeita a responder processo administrativo e processo criminal, além de receber auto de infração ambiental. A multa era de 300 reais para cada 60 quilos do fruto. Também está proibido o abate dos pinheiros nativos e plantados nos meses de abril, maio e junho.

A novidade da portaria é a liberação do corte das araucárias para construções em áreas consolidadas ou que representem risco de danos pessoais e/ou materiais e interesse social e/ou utilidade pública – quando devidamente autorizado pelo órgão ambiental.

“Mudamos essa normativa porque entendemos que não existe bem maior do que a vida. Porém, é preciso que o órgão esteja ciente das podas e cortes que estão sendo feitos. Dessa forma, mantemos um controle maior sobre a população de araucárias e preservamos a vida quando há riscos”, explica o presidente do IAP, Luiz Tarcísio Mossato Pinto.

Na região da Amsulep, muitos comerciantes estão vendendo o pinhão. Edgar Timóteo é da comunidade de Rio da Várzea, na Lapa, e, nesta época do ano, aproveita as folgas do serviço de pedreiro para fazer a venda do fruto às margens da rodovia. Segundo ele, por dia são vendidos em média 20 quilos e quem quer ampliar a venda se desloca para os centros das cidades. “Somente da minha localidade são mais de dez pessoas que saem daqui, todos os dias, de ônibus, para vender pinhão em Rio Negro. Lá certamente vendem ainda melhor”, compartilhou.

O comerciante Adão Sobota, de Contenda, comenta que em sua banca sempre começa a vender o pinhão após a liberação. “Sempre depois do dia 20 inicio as vendas, antes o produto ainda não está pronto. Depois desta data é só juntar nos matos. Em vinte anos trabalhando aqui nunca derrubei uma pinha sequer”, enfatizou.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email