segunda-feira, 23
 de 
maio
 de 
2022

Pequeno Bernardo segue a espera pelo medicamento contra o Ame

Bernardo necessita do medicamento para sobreviver. Foto: Reprodução/FacebookA burocracia e a falta de sensibilidade do poder público em agilizar determinados processos fazem com muitas pessoas portadoras da doença atrofia muscular espinhal (Ame tipo 1) não tenham acesso ao medicamento Spinraza, o qual atualmente é fabricado nos Estados Unidos e custa R$ 3 milhões. Um dos pacientes que espera por este medicamento é o pequeno Bernardo Fantin, de apenas dois anos, morador da cidade da Lapa.

Nesta semana, no entanto, foi dado um grande passo, quando a Anvisa aprovou o Spinraza e ele poderá ser comercializado em território nacional. Com isso, a empresa Biogen, que é a fabricante do medicamento, deverá apresentar uma nova documentação ao Ministério da Saúde para regulamentar a forma e principalmente o valor que o medicamento será comercializado. Todo este processo poderá levar no mínimo dois anos e não há também uma previsão de quanto irá custar o remédio. Um passo seguinte, será a empresa solicitar que o Spinraza seja integrado à lista de medicamentos fornecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Doe esperança. Foto: Arquivo/O Regional

Para Esttela Fantin, mãe de Bernardo, esta luta é contra o tempo e os portadores de Ame não podem esperar. “Esta é uma doença agressiva, que avança muito rápido. O Bernardo perdeu quase todos os movimentos e o Spinraza é o único medicamento capaz de frear a doença e devolver os movimentos”, relata Esttela, que entrou na Justiça para receber o Spinraza. “Mesmo o perito apontando a necessidade, o pedido foi negado porque não tinha a aprovação da Anvisa. Agora entramos com recurso, mas todo este processo é muito lento”, explica Esttela.

Devido a esta morosidade, a campanha para arrecadar os R$ 3 milhões segue a todo vapor. “Arrecadamos R$ 333 mil e agradeço imensamente o esforço de todas as pessoas envolvidas que voluntariamente abraçaram esta causa. Estamos promovendo eventos e solicitando doações, porque acreditamos no bom coração das pessoas e sabemos que somente a ajuda delas pode permitir que o Bernardo sobreviva. Faço um apelo a todos que ajudem, com qualquer quantia, ela será fundamental para atingirmos o objetivo”, concluiu Esttela.

Maiores informações podem ser obtidas na página no Facebook Juntos Pelo Bernardo – Ame tipo 1. Confira ao lado, algumas formas de ajudar.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email