segunda-feira, 20
 de 
setembro
 de 
2021

Pandemia atrasa comercialização da safra de tabaco

Otto Seidel relata que pandemia vem causando vários transtornos à venda do tabaco. Foto: Arquivo/O RegionalApós ter uma breve paralisação decorrente das medidas de isolamento impostas pela Covid-19, as empresas fumageiras vêm gradativamente restabelecendo a compra do tabaco da safra 2019/2020. Segundo estimativa da Afubra, cerca de 60% da produção da região já foi comercializada pelos produtores.

Um dos fumicultores que vêm trabalhando na preparação do tabaco é o pienense Otto Seidel, da localidade de Gramados. Nesta safra, ele fez o plantio de 40 mil pés e conta que o desenvolvimento da lavoura ocorreu dentro do esperado. “Segui as orientações e obtive um produto de boa qualidade e com bom peso”, conta Seidel.

Apesar da boa produtividade, a comercialização do tabaco não tem sido conforme esperava o agricultor. “Vendi apenas 2 mil quilos e houve, ao meu ver, uma desvalorização da classe”, lamenta Seidel, pontuando outras dificuldades com a venda devido à pandemia. “As empresas estão retomando aos poucos as atividades, deixando este processo ainda lento, o que preocupa os produtores que têm que armazenar a produção por mais tempo em suas propriedades”, relata.

Devido ao coronavírus, a equipe técnica da Afubra tem evitado realizar visitas, fazendo pesquisas com os produtores por telefone. Na última safra, o preço médio de comercialização foi de R$ 9,46, enquanto que na lavoura atual o valor tem sido de R$ 9,50. “Este cenário deve ter mudança, afinal, tem uma parcela significativa do tabaco a ser comercializada”, salienta o inspetor de campo da Afubra, Vilmar Niser, detalhando sobre o panorama atual. “A produção deste ano foi muito boa, no entanto, a estiagem fez com que o fumo de copa perdesse um pouco a qualidade. Aliado a isso, as fumageiras têm sido bastante rígidas na compra”, conta.

Com a comercialização da safra em andamento, os produtores também já planejam o próximo plantio. “O custo médio de produção está em R$ 7,50 o quilo, por isso, é importante o produtor buscar meios de diminuir os custos”, enfatiza Niser, destacando algumas orientações. “É preciso que o produtor plante o que a sua propriedade absorve, analisando a capacidade de secagem da estufa, a área que dispõe para plantio, a mão de obra disponível e a lenha. Quanto mais necessário gastos extras nestes fatores, menor será a margem de lucro. Além disso, é preciso prezar pela qualidade, não pela quantidade”, finaliza Niser.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email