sábado, 15
 de 
junho
 de 
2024

Mortalidade materna cai 82% no Paraná em 2022, aponta levantamento da Saúde

Informações sobre mortalidade materforam destaque durante a apresentação do Relatório Detalhado do Quadrimestre Anterior da Sesa, na Comissão de Saúde Pública da Alep. Foto: Ari Dias/AEN
Informações sobre mortalidade materforam destaque durante a apresentação do Relatório Detalhado do Quadrimestre Anterior da Sesa, na Comissão de Saúde Pública da Alep. Foto: Ari Dias/AEN
Segundo dados parciais do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) e Nascidos Vivos (Sinasc), até setembro deste ano foram registrados 31 óbitos maternos, contra 178 ao longo de todo o ano de 2021

O número de óbitos maternos caiu 82,5% no Paraná e a chamada Razão de Mortalidade Materna (RMM), comparação com o número de nascidos vivos, também registrou queda, de 73%. Essas informações foram destaque durante a apresentação do Relatório Detalhado do Quadrimestre Anterior (RDQA) da Secretaria de Estado da Saúde, na última quarta-feira (26), na Comissão de Saúde Pública da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep).

Segundo dados parciais do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) e Nascidos Vivos (Sinasc), até setembro deste ano foram registrados 31 óbitos maternos, contra 178 ao longo de todo o ano de 2021.

Já a RMM é calculada pelo número de mortes, dividido pelo número de nascidos vivos e multiplicado por 100 mil. No último ano (janeiro a dezembro) a RMM fechou em 125,7, grande parte motivada pela fase mais crítica da pandemia da Covid-19. Em 2022, com o avanço da vacinação contra a doença, a RMM, até setembro, é de 33,2. Os dados são considerados parciais e sujeitos a alterações.

“O índice que usamos para calcular a Razão de Mortalidade Materna indica principalmente a qualidade da Atenção à Saúde prestada às mulheres e por este motivo essa queda é tão significativa. Sabemos que a Covid-19 impactou muito neste processo, mas hoje com os ótimos índices de coberturas vacinais contra a doença podemos enxergar a diminuição dessas mortes e assegurar que o Paraná tem qualificado esse atendimento cada vez mais”, afirmou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

Dados – A apresentação do RDQA também mostrou que a Sesa já assegurou R$ 3 bilhões em despesas empenhadas com Ações e Serviços Públicos de Saúde (ASPS) de janeiro a agosto deste ano, equivalente a 9,84% da previsão legal de 12% da Receita Líquida de Impostos pelo Governo do Estado (R$ 50,9 bilhões).

Os recursos ajudaram a custear programas preventivos, obras, aquisição de equipamentos, diárias e manutenção de toda a estrutura regionalizada de saúde.

Ainda segundo a apresentação, o Paraná registrou até agosto mais de 10,7 milhões de procedimentos ambulatoriais de média e alta complexidade nos atendimentos eletivos e de urgência, perfazendo mais de R$ 195,6 milhões investidos, além de 39,9 mil medicamentos dispensados nestes procedimentos, num total de R$ 18,9 milhões. Já nas produções hospitalares, foram 148,1 mil procedimentos, num total de R$ 263 milhões.

Somente para atendimento à saúde mental, uma das linhas que têm recebido atenção diferenciada, foram realizados 15.944 atendimentos ambulatoriais, num valor de R$ 90 mil, além de 6.228 procedimentos hospitalares, num custo de R$ 8 milhões.

“Essa prestação de contas apresenta bons números para este momento pós-pandemia, com a retomada de ações e serviços, com a melhora nos indicadores e uma grande execução dos serviços eletivos, mostrando claramente o potencial da vacinação e os benefícios que essa imunização trouxe”, disse o diretor-geral da Sesa, Nestor Werner Junior.

O presidente da Comissão de Saúde Pública da Alep, deputado estadual Dr. Batista, agradeceu a apresentação e elogiou o trabalho desempenhado pela pasta. “A Secretaria de Saúde é muito capacitada, com profissionais bem preparados e esse momento é de extrema importância para que possamos avaliar como está o andamento dos atendimentos a saúde dos paranaenses”, afirmou.

Presenças– Participaram da audiência os deputados Arilson Chiorato e Márcio Pacheco; o diretor de Gestão em Saúde da Sesa, Vinícius Filipak; o diretor-executivo do Fundo Estadual de Saúde, Adriano Rissati; e a coordenadora de Promoção da Saúde da Sesa, Elaine Cristina Vieira de Oliveira.

Fonte: AEN

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email