sábado, 31
 de 
julho
 de 
2021

Mesmo com restrições, escolas mantêm atividades culturais em junho

Escola Marciano está organizando atividades juninas com turmas escalonadas

Há um ano e meio, escolas, crianças e professores tiveram suas rotinas alteradas por conta do início da pandemia. Com a imunização dos profissionais da educação, os alunos estão indo às instituições de maneira escalonada, com revezamento.

No mês de junho, no dia 24, é lembrado o dia de São João, o qual é conhecido como um “Santo Festeiro”, e nesse dia são feitas festas conhecidas popularmente como Festas Juninas, que são comemorações marcadas por danças, pratos típicos e brincadeiras. Algumas características marcam essas celebrações, como a fogueira, o mastro, os fogos, a capelinha, a palha, o manjericão e a quadrilha.

Há quase dois anos, escolas não podem fazer festas abertas ao público, como era autorizado em um mundo sem pandemia. É o caso da Escola Marciano de Carvalho de Piên. “Antes da pandemia, a gente fazia a semana de festa junina na escola. Onde todos os dias as professoras de Arte e Educação Física faziam festas juninas com as crianças”, comenta a pedagoga Bianca Adelita Lima da Costa.

Segundo a pedagoga, por conta das novas restrições, as professoras estão organizando um momento junino. “As professora organizaram a atividade seguindo os protocolos de segurança. Fizemos um painel para os estudantes tirarem fotos e também entregamos um lanche para nossos estudantes”, afirma.

Bianca diz que manter as atividades, mesmo que em um novo formato, é importante, porque esse tipo de comemoração trabalha com resgate cultural. “A gente procura resgatar com as famílias e os estudantes o respeito pela cultura, os pratos típicos, trabalhos manuais da roça e o respeito pela tradição”, defende a pedagoga.

Segundo a diretora da instituição, Viviane Mirian Balansin Rutz, essas atividades vêm de encontro com as propostas da Base Nacional Comum Curricular, que prevê o reconhecimento de emoções e empatia. “É um conjunto de projetos que a gente faz na escola para beneficiar os estudantes, acolhendo eles nesse momento de pandemia”, comentou.

A professora de Educação Física da escola, Sueli de Fátima Ribas Taborda, diz que a atividade tem por objetivo acolher os estudantes. “Agora com modelo híbrido, buscamos alternativas para realizar um trabalho pedagógico para que as crianças se sintam acolhidas e muito amadas dentro da escola”, afirma.

A diretora da Escola Carlos Eduardo Nichele, de Fazenda Rio Grande, Simone Cleia, afirma que os professores decoraram a escola com tema caipira, mesmo que no município os estudantes não estejam indo diariamente para as instituições de ensino. “Com o ensino remoto são poucos os contatos de forma presencial com as famílias e trazer algo diferenciado cativa nossos educandos”, disse.



Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email