domingo, 20
 de 
junho
 de 
2021

IAT autoriza e prefeitura interdita a reabertura do Parque do Monge

Estrutura do parque segue sem receber visitantes na cidade da Lapa. Foto: Karla DjulianaOs últimos meses têm sido de parques e locais públicos fechados para a visitação de turistas devido à Covid-19. Na última semana, o Instituto Água e Terra (IAT), que é o responsável pelas unidades de conservação no Paraná, autorizou a abertura desses espaços, entre eles o do Parque Estadual do Monge, localizado na cidade da Lapa. Apesar desta liberação, a prefeitura interditou o espaço alegando irregularidades e falta de estrutura.

De acordo com a prefeitura, o Parque do Monge está com seu funcionamento comprometido há 11 anos, quando foi fechado para reforma e revitalização. Depois de um longo período, ainda com obras inacabadas, o local foi semiaberto para a visitação dos turistas, sendo novamente fechado com a pandemia do novo coronavírus.

Na última semana, o IAT determinou a reabertura destes espaços, seguindo protocolo de cuidados, como a limitação de público, termômetros para aferição de temperatura, placas indicativas e disponibilização de álcool gel. “O local foi reaberto no último sábado, quando a prefeitura realizou vistoria no parque. Não havia o cumprimento de qualquer exigência e optamos por interditar o espaço”, detalha o coordenador geral de comunicação e marketing do município, Marcio Assad. “Almejamos muito que este local turístico volte a ser visitado, mas é preciso ser algo muito bem pensado, planejado e estruturado”, ressalta.

Paralelamente, a prefeitura trabalha com o programa de retomada do desenvolvimento, nomeado A Lapa e o Novo Normal. “Em um trabalho conjunto com os empresários do ramo turístico e o Sebrae, estamos criando um protocolo referência que garanta a segurança dos turistas e, principalmente, de quem trabalha e vive na cidade”, pontua Assad, salientando que a reabertura do parque não segue este princípio. “Gostaríamos que a responsabilidade deste local fosse do município para que tivéssemos autonomia para cuidar. Isso evitaria a tomada de ações precipitadas e sem nenhum fundamento como esse em questão”, conclui Assad.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email