segunda-feira, 14
 de 
junho
 de 
2021

Fumicultores contabilizam grandes estragos após intensa tempestade

Celso mostra a lavoura que teve vários pés atorados ao meio em virtude da força e o tamanho das pedras de granizo. Foto: Arquivo/O RegionalAs condições climáticas deste ano estão deixando os agricultores apreensivos a cada chuva que se forma. Na última sexta-feira, os produtores de tabaco de vários municípios da região tiveram suas lavouras castigadas pelo granizo. Em alguns casos, os pés de fumo foram cortados ao meio devido à força das pedras.

Um dos produtores que tiveram prejuízos com o temporal foi Celso Quirera, da localidade de Caí de Baixo, em Mandirituba. “Em cerca de 35 mil pés de tabaco, que foram plantados em agosto, a perda foi de até 15 folhas por pé. Já na outra parte, de 15 mil, onde o plantio foi mais tarde, o dano foi menor”, estima Quirera, lamentando a tempestade. “A lavoura estava em pleno desenvolvimento, esperava iniciar a colheita na primeira semana de novembro. Infelizmente, estamos sujeitos a estes fatores, o que reforça a necessidade de uma valorização maior dos fumicultores”, desabafa.

Já na comunidade de Cerro Verde, em Quitandinha, o agricultor Orestes Karas relata que o granizo danificou toda a produção de 90 mil pés. “O avaliador da Afubra contabilizou uma perda de 10 folhas por pé. Uma quantia alta, mas, como não havíamos cortado a flor, a planta ainda deve reagir”, detalha Karas, contando que o seguro ajuda a custear as despesas com insumos. “Com este valor, ao menos parte das dívidas podem ser quitadas. Agora, esperamos que o tempo contribua e que seja possível colher o que sobrou na roça”, enfatiza.

De acordo com o inspetor de campo da Afubra, Vilmar Niser, cerca de 500 lavouras na região foram afetadas. “Estamos com 29 avaliadores a campo para atender os produtores, no entanto, a demanda é muito grande e pedimos que haja uma paciência maior”, solicita. Para Niser, o município mais afetado foi Quitandinha. “A intensidade do granizo foi muito forte e trouxe um grande estrago. Recomendamos que o fumicultor contate o orientador técnico e veja quais os procedimentos que deverá adotar, ressaltando que dentro de 10 dias a lavoura deve apresentar qual potencial terá de recuperação”, conclui.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email