quinta-feira, 23
 de 
setembro
 de 
2021

Em meio à pandemia, número de novas empresas tem queda de 22% na região

Apesar da crise, empreendedores vêm buscando medidas para ampliarem seus negócios. Foto: Rogério Machado/SECSCom o atual cenário da pandemia do coronavírus, muitos setores foram afetados economicamente e estão precisando se reinventar. Uma das iniciativas adotadas pelas pessoas que querem manter a renda ou incrementar o faturamento, está na instituição do próprio empreendimento.

Dados recentes divulgados pela Junta Comercial do Paraná (Jucepar), apontam que no Estado foram 78.046 empresas abertas entre janeiro e maio de 2020, resultado 2% superior ao mesmo período do ano passado, quando houve um saldo de 76.537. Na região, foram registradas 392 novos empreendimentos em 2019, contra 305 em 2020, uma ligeira queda de 22%.

O presidente do órgão, Marcos Rigoni, avalia a abertura de um negócio próprio se torna uma alternativa para quem perdeu renda ou o emprego recentemente, o que justifica o grande número de novas empresas mesmo em um momento de diminuição da atividade econômica. “Muitas pessoas estão aproveitando este momento para abrir micro ou pequenas empresas, para não ficarem parados. E quem já tem um empreendimento constituído também acredita na volta à normalidade para continuar com seu negócio”, ressalta.

Para o consultor do Sebrae, João Luis Moura, o cenário trouxe grandes desafios e também abriu oportunidades no modelo de empreender. “Mesmo com todo esse contexto de instabilidade ainda há muitas oportunidades de negócios, pois tem uma necessidade constante de consumo no mercado e o comportamento do consumidor está mudando rapidamente. Muitas novas demandas de consumo ainda vão surgir. Nesse novo contexto é que surgem as oportunidades. Outro fator que impacta na geração de novos negócios é que a medida que pessoas vão perdendo o emprego formal, tendem a enxergar o empreendedorismo como nova perspectiva de renda, o que chamamos de empreender por necessidade”, afirma.

Moura pontua as garantias e os riscos que o investimento no próprio negócio pode trazer neste período de imprevisibilidade. “Os riscos estão maiores, é importante que o futuro empreendedor inicie aos poucos, testando sua ideia de negócio, aprendendo e corrigindo antes de fazer um investimento maior no seu futuro negócio. Esse teste servirá como uma validação no mercado. Por exemplo, se pretende abrir um restaurante, essa fase de teste te ajudará a entender qual é a saída do seu produto, quem são os potenciais clientes, como eles preferem acessar ou comprar o seu produto, por qual preço eles pagam. Quanto mais você testar, menor vai ser seu risco”, explica o consultor, dando dicas aos empresários para contornarem a crise. “Para quem já tem um negócio esse é um momento para reduzir ao máximo os custos e apostar bastante em meios digitais para divulgação, venda e entrega do seu produto e/ou serviço. Já quem pretende abrir é importante saber lidar com a ansiedade e dar um passo por vez, comece aos poucos, entenda o mercado, tenha diferenciais e busque ajuda. O Sebrae/PR acabou de lançar um Guia com as principais tendências de consumo. Esse conteúdo vai ajudar bastante ao futuro empreendedor a conectar essa ideia de negócio com as principais tendências de consumo mundial e a reduzir o risco do seu negócio. O conteúdo é gratuito e está disponível na internet”, finaliza.

Abertura de empresas. Arte: O Regional

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email