quinta-feira, 17
 de 
junho
 de 
2021

Com redução da demanda, olericultura diminui a produtividade na pandemia

Produtor Ilton Tschoke relata que diminuiu a produção diante da desaceleração de todo o mercado nas últimas semanas. Foto: DivulgaçãoAlém da saúde pública, a pandemia do novo coronavírus vem causando grandes impactos no setor econômico. Um dos segmentos duramente atingidos é a olericultura, que vem tendo uma grande diminuição das vendas, provocada principalmente pelas restrições de funcionamento de restaurantes e lanchonetes.

Em Piên, o produtor Ilton Tschoke relata que atua há 10 anos na produção de hidroponia e que esta crise vem causando grandes transtornos. “Em uma das frentes de trabalho, atendemos redes de supermercados na região e alguns restaurantes e lanchonetes, os quais tiveram uma redução considerável nas encomendas”, relata Tschoke, salientando que a diminuição foi ainda maior no litoral. “O turismo foi diretamente atingido com a pandemia. Em números gerais, as vendas caíram cerca de 40%”, estima.

Com uma produção mensal de cerca de 2 mil caixas de alface e 3 mil maços de rúcula, agrião e temperos, o agricultor se viu obrigado a diminuir o plantio. “Chegamos ao ponto de ter que dispensar parte das verduras já que as sobras eram vendidas em cozinhas industriais, as quais tiveram paralisações. Com isso, reduzimos a produção e os dias de entrega aos fornecedores”, conta Tschoke.

Técnico da Emater, Jhonatan Eduart Assumpção tem buscado orientar os agricultores. Foto: Divulgação

No município de Quitandinha, os produtores também têm enfrentado dificuldades com a desaceleração do mercado. “Atendemos 85 pequenos agricultores que vendem seus produtos na Ceasa. Nas últimas semanas, o volume de vendas caiu em média 20%”, calcula o técnico de campo da Emater, Jhonathan Eduart Assumpção. Outra dificuldade encontrada está na estiagem que já dura vários meses. “A olericultura precisa de muita água, já que é uma cultura muito sensível. A grande maioria dos agricultores conta com sistema de irrigação, mas, não está conseguindo captar água devido ao baixo nível dos rios”, salienta.

Buscando auxiliar os produtores, a Emater tem orientado a diminuição da produtividade e adoção de outras medidas. “Muitos produtores estão voltando da Ceasa com parte da produção. Por isso, é importante ter um recuo na produção e intervalos maiores de venda, para que os prejuízos sejam minimizados”, sugere Assumpção, pontuando outro importante fator. “É recomendado que o produtor se informe qual mercadoria está tendo maior procura, para que o desempenho da venda seja melhor. Temos produtos que estão valorizados e tendo demanda até de outros estados”, finaliza.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email