terça-feira, 15
 de 
junho
 de 
2021

Com recurso pendente, rede de esgoto de Tijucas terá custeio da Sanepar

Com projeto aprovado, expectativa é de que o município seja contemplado com este serviço até 2022. Foto: Arquivo/O RegionalTrabalhada ao longo dos últimos anos, as obras de construção da estação de tratamento e da implantação da rede de esgoto de Tijucas do Sul nunca saíram do papel. Devido a uma série de correções no projeto e de outras etapas burocráticas, o investimento apresentou uma grande morosidade e impasses, exigindo que a prefeitura buscasse outras frentes para enfim efetivá-lo.

De acordo com a prefeitura, ainda em 2012, foi desenvolvido pelo município um projeto piloto de todo o sistema, em um investimento calculado em R$ 11,5 milhões. O recurso para custear esta obra já havia sido alinhado com o governo federal, por meio do PAC2 do Ministério das Cidades. Neste documento, estava incluso a construção da estação de tratamento na localidade de Bibituva e a implantação da rede coletora em 90% da área central.

Enquanto aguardava a liberação do dinheiro, a prefeitura realizava os ajustes finais do projeto para licitação. Neste período, o governo federal entrou em grave crise econômica, a qual resultou em inúmeras obras paradas em todo o país. “Quando foram concluídos todos os estágios do projeto, o custo da construção tinha se elevado para cerca de R$ 18 milhões”, detalha o prefeito Cesar Matucheski. Diante disso, a prefeitura costurou junto a Sanepar um acordo de suplementação do valor, mas, não houve o entendimento. “Quando avançávamos para contratação da empresa não tínhamos a sinalização do recurso por parte do governo federal. Em uma das viagens à Brasília, o ministério reiterou que a prioridade está em terminar as obras paralisadas e que não havia prazo algum para sermos contemplados”, recorda Matucheski.

No final do ano passado, a prefeitura recebeu o ofício do governo federal tornando público o recuo deste investimento. “Toda morosidade e a falta de recursos impediu que tivéssemos com esta obra já concluída”, lamenta Matucheski. Devido a este panorama, o município iniciou as tratativas de forma exclusiva com a Sanepar para a construção de todo o sistema. “A companhia de abastecimento tem disposto em contrato que até 2022 a cidade irá contar com este investimento, o qual terá todo o custo suportado por ela”, conta Matucheski.

Deste modo, a Sanepar vem trabalhando para viabilizar todo o recurso para obra, seguindo os moldes do projeto já aprovado. “Acreditamos que muito em breve poderemos ter novidades importantes”, concluiu Matucheski.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email