sábado, 22
 de 
janeiro
 de 
2022

Casos ativos de Covid-19 somam 13 nas cidades locais

As medidas preventivas, como uso de máscara e álcool em gel devem ser mantidas pela população. Foto: Jose Fernando Ogura/AEN
Municípios do suleste paranaense contabilizam, até o momento, 43.745 confirmações da doença desde o início da pandemia. Considerando a vacinação, são 238.614 vacinas da primeira dose, 186.102
da segunda e 11.247 vacinas de dose única

O surgimento da variante ômicron, do coronavírus, colocou as autoridades sanitárias em alerta em todo o mundo, já havendo confirmações da presença deste vírus no Brasil. A nível estadual, a Secretaria de Estado da Saúde monitora seis pessoas que que estavam em voo com um homem que veio da África e foi confirmado com a cepa.

Em relação ao cenário atual da Covid-19 na região, as dez cidades locais contabilizam, até o momento, 13 casos ativos da doença, conforme dados divulgados pelas Secretarias Municipais de Saúde, até ontem à tarde. Os casos ativos são todos aqueles confirmados que não evoluíram a óbito e não se enquadram nos critérios de recuperados.

Os registros estão distribuídos da seguinte forma: Agudos do Sul (2), Campo do Tenente (0), Contenda (1), Fazenda Rio Grande (3), Lapa (1), Mandirituba (1), Piên (2), Quitandinha (2), Rio Negro (1) e Tijucas do Sul (0). Desde o início da pandemia, são 43.745 diagnósticos confirmados da doença na região, com 1.138 mortes e 42.523 recuperados.

Em relação aos dados da Secretaria de Estado da Saúde, o Paraná soma 1.573.162 casos confirmados, com 1.495.931 recuperados e 40.578 falecimentos.

Vacinação – As cidades da região contabilizam nesta semana 435.963 aplicações. São 238.614 vacinas de primeira dose, 186.102 da segunda dose e 11.247 vacinas de dose única. São 8.005 (1ª dose) e 6.162 (2ª dose) em Agudos do Sul, 6.157 (1ª dose) e 4.523 (2ª dose) em Campo do Tenente, 13.586 (1ª dose) e 11.551 (2ª dose) em Contenda, 91.777 (1ª dose) e 66.630 (2ª dose) em Fazenda Rio Grande, 37.379 (1ª dose) e 30.945 (2ª dose) na Lapa, 20.264 (1ª dose) e 15.635 (2ª dose) em Mandirituba, 10.019 (1ª dose) e 7.852 (2ª dose) em Piên, 14.194 (1ª dose) e 12.149 (2ª dose) em Quitandinha, 23.802 (1ª dose) e 18.731 (2ª dose) em Rio Negro e 13.431 (1ª dose) e 11.924 (2ª dose) em Tijucas do Sul.

Referente ao número de doses únicas, foram aplicadas 556 doses únicas em Agudos do Sul; 167 em Campo do Tenente; 627 em Contenda; 4.697 em Fazenda Rio Grande; 1.192 na Lapa; 1.396 em Mandirituba; 395 em Piên; 558 em Quitandinha; 1.085 em Rio Negro e 574 em Tijucas do Sul.

O Tribunal de Contas do Estado do Paraná divulgou nesta semana uma orientação para que os municípios adotem estratégias para reforçar a imunização de pessoas que já completaram o esquema vacinal e que apliquem doses que se encontrem em atraso.

Através de um canal de comunicação, o órgão encaminhou um ofício para os 399 municípios do Paraná, assinado pela Comissão de Acompanhamento dos Gastos Relacionados ao Enfrentamento à Covid-19 do TCE-PR. Segundo o Tribunal de Contas, por ordem do Ministério da Saúde, a dose reforço deve ser aplicada em todos os adultos. A normativa é baseada em pesquisas que mostram uma diminuição na resposta imune, principalmente depois do quinto mês após o recebimento da segunda dose das vacinas.

Apesar da redução dos números da pandemia, as medidas visam enfraquecer ainda mais a circulação do vírus entre a população. O reforço também tem como base indícios de uma nova onda em países da Europa por conta da variante do vírus na África do Sul, o que gera uma preocupação de autoridades de saúde do mundo.

 



Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email