domingo, 17
 de 
outubro
 de 
2021

A Agenda 2030 – Objetivo 2 – Fome Zero e Agricultura Sustentável

Por Raphael Rolim de Moura

Segundo relatório publicado em 2019 pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) mais de 820 milhões de pessoas ainda passam fome hoje. Neste mesmo documento há uma previsão de que a pandemia de Covid-19 pode ter levado mais de 130 milhões de pessoas à fome crônica em 2020 em todo o planeta. Hoje temos a Ásia como o lar do maior número de desnutridos (381 milhões) seguido pela África em segundo lugar (250 milhões) e pela América Latina e o Caribe (48 milhões).

Já no Brasil registramos em 2020, segundo o Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil, 19 milhões de pessoas em situação de fome. Temos um aumento de 27,6% em relação ao ano de 2018, quando tínhamos 10,3 milhões. Ou seja, em dois anos houve (ou quase 9 milhões de pessoas a mais). Mas como isso ocorre se volta e meia o país bate recordes na produção de alimentos?
Dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) revelam que a produção de soja deve aumentar 8,6%, superando 135 milhões toneladas. A soja é o mais importante commoditie brasileiro. Commodities são produtos de origem agropecuária ou de extração mineral, em estado bruto ou pequeno grau de industrialização, produzidos em larga escala e destinados ao comércio externo. Este grão abastece o mercado interno com óleo comestível, óleo para produção de biodiesel, farelo na produção de suínos e aves e pode ser utilizado para a fabricação de chocolate, temperos prontos, massas, misturas para bebidas, papinhas para bebês e muitos alimentos dietéticos.

Mas só nos alimentamos de soja? Os pequenos produtores de feijão, arroz, hortaliças e demais produtos que estão em nossa mesa devem ser valorizados e incentivados. Mesmo fora deste grande mercado mundial, sem eles passamos fome. A aproximação da agricultura com métodos que promovam a saúde do solo, minimizem o uso da água e reduzam os níveis de poluição nos colocará na rota da sustentabilidade.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email