sábado, 19
 de 
junho
 de 
2021

Vulnerabilidade das cidades da região a Covid-19 varia de 48 a 62 pontos

Estudo aponta que o município de Tijucas do Sul tem o maior índice de vulnerabilidade na região. Foto: Arquivo/O RegionalA vulnerabilidade dos municípios do suleste paranaense em relação a Covid-19 pode ser considerada de média para alta. Um estudo, cujos resultados podem variar de 0 a 100 pontos, coloca a região entre 48 e 62, sendo que, quanto mais alto o valor, mais vulnerável é a cidade.

Os números são do Índice de Vulnerabilidade dos Municípios (IVM), lançado pelo Instituto Votorantim e que classifica todos os municípios brasileiros em relação à pandemia. São considerados fatores como a proporção da população idosa, o PIB per capita, o número de leitos hospitalares e de UTI e a quantidade de respiradores por 100 mil habitantes.

O IVM utiliza apenas dados públicos, de órgãos como o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Sistema Único de Saúde (SUS), Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES) e Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANSS). “O objetivo é apoiar gestores públicos e privados no combate à pandemia, pois acreditamos que o acesso à informação é fundamental para superarmos a crise”, afirma Cloves Carvalho, diretor presidente do Instituto Votorantim.

A cidade apontada como a mais vulnerável da região de acordo com os números do IVM é Tijucas do Sul, com 62,57, seguida de Campo do Tenente, cujo resultado foi 61,02. Já o menor índice de vulnerabilidade do suleste é de Contenda, com 48,06, seguido do número de Mandirituba, que foi 48,57. Entre os resultados de todos os municípios brasileiros avaliados, o menor índice foi 28,61 e o maior foi 75,65.

O IVM é baseado em dados disponíveis em diversas bases oficiais e considera o cenário mais recente anterior ao início da pandemia. O índice é composto por dezoito indicadores distribuídos em cinco pilares temáticos, e cada pilar tem um peso, de acordo com sua relevância no contexto da pandemia: população vulnerável (peso 32,35%), economia local (peso 11,76%), estrutura do sistema de saúde (peso 23,53%), organização do sistema de saúde (peso 20,59%) e capacidade fiscal da administração municipal (peso 11,76%).

Tabela - IVM Coronavírus. Arte: O Regional

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email