sábado, 21
 de 
maio
 de 
2022

Vigilância Sanitária confirma que raiva causou a morte de bovino em Tijucas

Apenas 2 por cento dos morcegos são transmissores da raiva. Foto: Anderson C. SoaresO município de Tijucas do Sul confirmou na última semana, a primeira morte causada por raiva em um animal bovino. A doença também é transmissível para seres humanos e, se não tratada corretamente, é altamente perigosa.

De acordo com a coordenadora municipal da vigilância em saúde, Helen Aline Melo, o animal infectado estava na localidade de Fazendinha. “Após a morte do bovino, realizamos os exames e confirmamos que a causa do óbito foi a raiva. Também estamos apurando o motivo da morte de uma égua ocorrida na comunidade de Fagundes”, relata Helen, explicando os primeiros sintomas da doença. “Inicialmente, o animal pode ou não começar a salivar mais. Posteriormente, agirá como se estivesse afogado. Irá também se isolar dos demais, se debaterá e as patas traseiras cairão, evoluindo na sequência para a morte”, detalha. No caso dos seres humanos, a raiva provoca sensibilidade à luz, excesso de saliva, medo de água e movimentos involuntários.

O contágio pela raiva acontece através da picada de morcegos ou pelo contato de um ferimento com a saliva de um animal infectado. “Por ser uma região de serra, Tijucas já teve outros casos em anos anteriores. Ressaltamos que as pessoas não devem matar os morcegos, já que apenas 2% deles tem o vírus transmissor da raiva”, destaca Helen, repassando orientações. “No caso dos animais, dificilmente se consegue reverter o quadro clínico quando infectado.

Por isso, orientamos a vacinação para prevenção. Em relação aos seres humanos, após uma mordida de qualquer animal, deve-se lavar o local com bastante água e sabão, procurando o mais rápido possível o atendimento médico”, pontua.

A Vigilância Sanitária reforça que ao encontrar morcegos mortos ou se debatendo, o recomendado é isolar o local, prendendo o animal em um cômodo ou em uma caixa. “Não se deve ter o contato direto, nem mesmo com outros animais que podem ter sido contaminados. Quando houver a suspeita, é necessário acionar a Secretaria de Saúde, a qual tomará as medidas cabíveis”, concluiu.

Em Tijucas do Sul, maiores informações podem ser obtidas pelo telefone (41) 3629 1511.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email