terça-feira, 27
 de 
fevereiro
 de 
2024

Alep vai conceder prêmio para mulheres de destaque na sociedade

Bancada Feminina da Assembleia é formada por dez mulheres. Foto: Orlando Kissner/Alep
Bancada Feminina da Assembleia é formada por dez deputadas. Foto: Orlando Kissner/Alep
Proposto pela Bancada Feminina, o Prêmio Rosy de Macedo Pinheiro Lima vai homenagear dez mulheres em evidência no Paraná

A Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) vai conceder prêmio para mulheres de destaque na sociedade paranaense. A iniciativa é oriunda do projeto de resolução 2/2023, de autoria da Bancada Feminina do Legislativo, que institui o Prêmio Rosy de Macedo Pinheiro Lima.

A homenagem será conferida anualmente pela Assembleia a dez mulheres indicadas pela Bancada Feminina, nas comemorações do Dia Internacional da Mulher, em 8 de março. Tramitando em regime de urgência, a proposição aguarda parecer da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

O projeto pretende homenagear dez mulheres que se destaquem em suas atividades e representem a força, garra e determinação feminina.  A proposta determina que as agraciadas com o prêmio vão receber diploma contendo o brasão da Assembleia Legislativa, o nome da homenageada e a distinção “prêmio concedido a mulheres de destaque no Estado do Paraná – Dia da Mulher”, e também será conferida uma medalha de Honra ao Mérito às dez mulheres indicadas pela Bancada Feminina.

A atual legislatura conta com uma bancada feminina composta por dez deputadas, a maior história. Integram o grupo as deputadas Marcia Huçulak (PSD), Ana Júlia (PT), Luciana Rafagnin (PT), Flávia Francischini (União); Maria Victoria (PP); Cantora Mara Lima (Republicanos); Mabel Canto (PSDB), Cristina Silvestri (PSDB), Cloara Pinheiro (PSD) e Marli Paulino (Solidariedade).

História – A premiação faz alusão a história da primeira deputada paranaense, Rosy de Macedo Pinheiro Lima (1914-2002), parlamentar eleita pela União Democrática Nacional (UDN) em 1947, nas primeiras eleições para a Assembleia Legislativa desde 1934. Nascida em Paris, iniciou os estudos na Áustria, na Itália e na capital francesa.

Em Curitiba, com apenas 19 anos Rosy concluiu o curso de Direito na Faculdade de Direito do Paraná em 1933, ano em que, ao lado da advogada Ilnah Secundino de Oliveira e Deloé Scalco, fundou o Centro Paranaense Feminino de Cultura (CPFC), do qual foi a primeira presidente.

Em 1937, Rosy defendeu a tese ‘A mãe e o Direito Civil’ na Universidade do Brasil, no Rio de Janeiro, e se tornou a primeira mulher no país a obter o doutorado em Direito. Em 1944, seu trabalho se dividia entre o Centro Feminino de Cultura, os estudos literários e o trabalho como advogada. Com a deposição da ditadura varguista, em outubro de 1945, ela se filiou à UDN e dois anos depois foi eleita deputada estadual.

A atuação de Rosy Macedo na Assembleia Legislativa teve ênfase na educação e na inclusão da mulher na ação pública.

Depois dela, só nos anos 1980 a Assembleia Legislativa do Paraná voltou a ter uma deputada.



Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email