terça-feira, 22
 de 
junho
 de 
2021

Prefeituras aumentam receitas com IPTU e contabilizam R$ 41 mi em 2019

Em Agudos do Sul, prefeitura adotou uma série de medidas e conseguiu ampliar a arrecadação com o IPTU. Foto: Arquivo/O RegionalDirecionado para a ampliação e manutenção dos serviços públicos, o montante arrecadado com o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) apresentou no ano passado um crescimento médio de 22,7% nas dez prefeituras da região. De acordo com números do Tribunal de Contas do Estado (TCE), em 2018 os municípios somaram R$ 33.794.337,43 com este tributo, passando para R$ 41.486.158,91 em 2019.

Neste comparativo, todas as prefeituras apresentaram crescimento no valor arrecadado com o IPTU. Na região, a cidade de Fazenda Rio Grande, por ser a mais populosa, foi a que mais arrecadou, enquanto Campo do Tenente teve o menor montante recebido.

Um dos desafios das prefeituras continua sendo a inadimplência dos contribuintes, fato que tem obrigado as administrações a ajuizarem a cobrança. “É uma determinação do Ministério Público que obriga os municípios a não renunciarem receitas e a tomarem medidas na Justiça. Muitas vezes, este é um processo moroso e que acaba aumentando os custos principalmente para o devedor”, detalha o contador Ricardo Casagrande, que enfatiza a necessidade desta receita para o poder público. “Com o dinheiro deste tributo, o gestor tem liberdade para aplicar conforme a necessidade da cidade. Ao contrário de muitas outras verbas que têm destinação carimbada”, salienta.

Em Agudos do Sul, atendendo a uma exigência do Ministério Público (MP), a prefeitura realizou em 2018 o recadastramento imobiliário. “Desde 2000 não era efetivado este processo que deve acontecer em um intervalo de dois anos. Tínhamos muitos imóveis que tiveram edificações e para a prefeitura constava como não edificado. Além disso, a área urbana foi ampliada, mas não era cobrado IPTU, tendo também a identificação de loteamentos irregulares”, detalha a secretária municipal de Administração e Finanças, Lorena Teixeira da Luz, citando outras medidas implantadas com foco em minimizar a inadimplência. “Realizamos enquetes para a população decidir onde seria aplicado o recurso deste tributo. Desta forma, utilizamos este valor na ampliação da escola do Leão, na construção da ponte do Ribeirãozinho e na confecção de placas de todas as ruas do quadro urbano, possibilitando o atendimento de carteiro. Esta iniciativa popular possibilitou um maior engajamento dos munícipes”, finaliza.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email