segunda-feira, 4
 de 
julho
 de 
2022

Politicando 11/09/2015

Prefeituras I
A Associação dos Municípios do Paraná (AMP) está realizando uma pesquisa junto às prefeituras para saber sobre o impacto financeiro no transporte escolar após a greve dos professores ocorrida no início do ano. A intenção da AMP é promover junto aos poderes públicos ações capazes de atenuar os custos do transporte escolar pelas prefeituras, considerando que haverá alteração no calendário escolar, inclusive, com aulas de reposição aos sábados e feriados.
Prefeituras II
Segundo a AMP, a parcela do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) repassada nesta semana sofreu uma queda de 38% em relação à igual período do ano passado. Isso equivale a uma perda de receita de aproximadamente R$ 94 milhões. Formado principalmente pelo Imposto de Renda e o IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) o FPM é a principal fonte de receita de 70% dos 399 municípios do Paraná. As prefeituras recebem repasses do FPM a cada dez dias, mas os valores estão muito abaixo dos aumentos de despesas dos municípios. Para a AMP a queda de 38% da receita reforça motivos para o protesto das prefeituras no próximo dia 21.
Agudos do Sul
O prefeito de Agudos do Sul, Antonio da Luz (PP), ainda não deu nenhum sinal sobre eventuais nomes que possam receber o apoio da atual administração na disputa pela prefeitura em 2016. A primeira especulação no município é sobre o atual presidente do legislativo, o vereador José Amilton Bizzotto (PSDB). Nos últimos meses, a relação prefeitura e câmara caminha a passos largos.
Reunião informal sobre redução dos salários dos vereadores, na Câmara Municipal de Piên/Foto: Arquivo / O RegionalPiên
Na última semana, um grupo de pouco mais de vinte pessoas esteve na câmara de vereadores de Piên e participou de uma reunião informal com os vereadores para falar sobre a redução dos salários na câmara municipal. Eles sugerem que os vencimentos sejam reduzidos dos atuais R$ 4.600,00 para um salário mínimo. Os legisladores apresentaram o trabalho realizado na câmara e consideram que um salário mínimo é um valor abaixo da atividade do parlamentar.
Mandirituba I
É possível que a eleição municipal do próximo ano em Mandirituba seja marcada pelo “todos contra um”. É que boa parte dos grupos políticos do município não admitem a ideia da volta de Geraldo Cartário para a prefeitura. Sendo assim, é provável que políticos rivais da cidade se unam para compor uma coligação com grande número de candidatos a vereadores e cabos-eleitorais.
Mandirituba II
A informação de que o presidente da câmara de vereadores de Mandirituba, Silvio Galvan (PMDB), vai propor a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito – CPI para analisar as contas do ex-prefeito Antonio Machadinho (PDT) não ganhou força na cidade. Pelo contrário, muitos acreditam que o objetivo é tirar foco do movimento que sugere redução de salários dos vereadores e das suspeitas contra a atual administração local.
Campo do Tenente
Totalmente descolado do atual governo municipal, o vice-prefeito de Campo do Tenente, Baby Negrelli (PDT), trabalha para criar condição de disputar a prefeitura do município na eleição de 2016. Curiosamente, Negrelli conta com o apoio de dois peemedebistas para o seu projeto político, o deputado estadual Antonio Anibelli e o senador Roberto Requião. Se for disputar a prefeitura, Negrelli poderá enfrentar o atual prefeito e também peemedebista Jorginho Quege.
Quitandinha
O vice-prefeito de Quitandinha, Marquinhos da Acarpa (PMDB), não esconde o interesse de se lançar a novos desafios políticos no município. Até o momento ele não se manifestou sobre o projeto para 2016, mas mantém agenda lotada de trabalho junto às comunidades rurais. Como o vice-prefeito é do mesmo partido político do prefeito Marcio Rato (PMDB), qualquer decisão precisa ser avaliada primeiramente com a questão partidária.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email