sexta-feira, 3
 de 
dezembro
 de 
2021

Paraná deve ter crescimento de 9% na safra de grãos de verão 2021/22

Expectativa é para crescimento na produção durante a safra de grãos 2021-2022. Foto: Gilson Abreu/AEN

O Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, divulgou ontem a primeira projeção para a safra de verão 2021/22, apontando para um crescimento de 9% em relação ao mesmo período do ciclo anterior.

A previsão é que sejam produzidas 25.509.900 toneladas em 6,2 milhões de hectares contra 23.301.770 toneladas em 6,1 milhões de hectares na safra 2020/21.

O secretário da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, destacou que há expectativa de crescimento na área de soja e em milho, ainda que haja uma redução em feijão, os três principais produtos dessa safra. “Estamos dentro de uma estiagem terrível, estamos a poucos dias de começar a semear soja no Paraná, já começamos a plantar feijão, então há a tentativa de renovar a vida”, disse.

O chefe do Deral, Salatiel Turra, também fez uma análise do momento vivido pela agricultura paranaense. “Ainda estamos com problemas climáticos, ainda tem efeitos de uma geada bastante preocupante e da estiagem, o que pode ser preocupação a partir de 11 de setembro quando abre a temporada para o plantio da soja primeira safra”, avaliou Turra, comentando sobre a rentabilidade dos produtos. “Os preços estão animadores no momento, mas o período para tomada de decisão é muito curto, então quem tinha se programado para plantar soja deve plantar soja”, complementou.

Culturas – Entre os principais grãos produzidos no Estado na safra de verão, a soja deve render 20.954.700 toneladas, volume que representa aumento de 6% em relação à primeira safra do ciclo 2020/21, quando foram colhidas 19.768.900 toneladas. A área reservada pelos produtores para o plantio é de 5.616.770 hectares, acréscimo de 1% em relação ao período anterior.

Considerando o milho, ainda que as estimativas de perdas da segunda safra, que é a mais importante em termos de rendimento no Estado, tenham sido aumentadas de 8,5 milhões de toneladas para 8,7 milhões, em decorrência do clima e de pragas, os produtores não desanimaram, sendo a cultura que tem maior previsão de aumento para a primeira safra 2021/22. Pela estimativa do Deral, devem ser produzidas 4.116.200 toneladas, volume 32% superior às 3.115.200 toneladas do mesmo período no ciclo anterior, e em termos de área, os produtores aumentaram de 372,5 mil hectares para 422 mil hectares.

Em relação ao feijão, a previsão é que o segundo maior aumento porcentual em produção seja nesta cultura. Enquanto a primeira safra 2020/21 rendeu 257 mil toneladas, na atual deve chegar a 284,6 mil toneladas, o que representa acréscimo de 11%.

E para o arroz, está previsto aumento de 2% na produção do arroz sequeiro, saindo de 5,2 mil toneladas para 5,3 mil, com praticamente a mesma área de 2,6 mil hectares. A previsão para o arroz irrigado é de redução expressiva de 4%, caindo de 150,6 mil toneladas para 144,5 mil toneladas. Para este ciclo, a estimativa é de que a cultura se esparrame por 18,9 mil hectares.

 

 



Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email