sexta-feira, 22
 de 
outubro
 de 
2021

Pais devem monitorar filhos durante o acesso à internet, alerta psicóloga

Aline e Handrey redobraram a atenção com os vídeos acessados pela filha Heloísa. Foto: Arquivo/O RegionalEm um mundo incessantemente marcado pelos avanços tecnológicos e pela expansão da internet, é comum encontrar crianças e adolescentes navegando nas redes e, muitas vezes, tendo acesso a conteúdos considerados perigosos e inadequados.

Nesta semana, foi grande a repercussão atribuída a imagens que estariam circulando pelas redes sociais informando sobre a existência de vídeos na plataforma YouTube Kids em que a figura da boneca ‘Momo’ instruía as crianças a se matarem cortando os pulsos, utilizando facas e lâminas. Diante desta situação, pais de todo o Brasil e do resto do planeta demonstraram preocupação quanto à segurança dos filhos ao se conectarem à rede mundial de computadores.

Exemplo disso foi o casal Aline e Handrey Schreiner que precisou intensificar os cuidados para que a pequena Heloísa, de cinco anos, não tivesse acesso ao conteúdo disseminado. “Soubemos da Momo e conversamos com ela, que ficou assustada e com medo. Então, proibimos que a Heloísa usasse o celular até que pudéssemos apurar a veracidade e do que se tratava o vídeo”, contam os pais, que sempre acompanham o que a menina pesquisa na internet. “Nossa filha já sabe colocar vídeos e jogos no celular e nós orientamos e indicamos os conteúdos infantis e educativos, que são apropriados para a idade dela. Buscamos estar sempre presentes para evitar qualquer tipo de exposição ao que não é correto”, afirmam.

Ainda conforme o casal, é necessário impor alguns limites no acesso à internet para não prejudicar a vivência da infância. “A internet tem seus benefícios, mas um dos pontos negativos é que pode acabar afastando de brincadeiras tradicionais, como boneca, por exemplo. Portanto, estabelecemos os horários permitidos para que nossa filha possa acessar a internet, sem prejudicar seu desenvolvimento enquanto criança”, finalizam.

A psicóloga escolar Helen Cristiane Siqueira Domingues ressalta que há vários estudos que apontam que a exposição excessiva a eletrônicos pode ser prejudicial ao desenvolvimento das crianças, adolescentes e até mesmo para os adultos. “Um estudo realizado pela Faculdade de Educação da Unicamp concluiu que as crianças de oito a 12 anos que usam aparelhos eletrônicos por um tempo de quatro a seis horas, tempo maior do que dispõe para brincar no “mundo real” e interagir com outras crianças, apresentaram problemas de aprendizagem escolar. Isso afeta o ritmo de construção do desenvolvimento cognitivo, de noções lógico-elementares, as capacidades que eles precisam ter para aprender bem o conteúdo ensinado na escola”, explica.

Segundo a profissional, o acompanhamento dos pais é uma das principais ferramentas de proteção. “Moderação e monitoramento dos responsáveis são essenciais para que o uso dos eletrônicos contribua positivamente para o desenvolvimento das crianças e adolescentes. Existem programas de bloqueio de determinadas páginas e conteúdos impróprios para certas idades, porém, a estratégia mais eficaz de proteção é estar presente e acompanhar o uso. Como sabemos, no caso de adolescentes que já possuem seus próprios celulares e demais eletrônicos, a dica de ouro é dialogar, orientar, conversar claramente é sempre o melhor caminho, principalmente para evitar que faça postagens da sua rotina diária e interações com pessoas estranhas em redes sociais para evitar situações criminosas, como por exemplo, sequestro, abuso sexual ou até mesmo bullyng virtual”, finaliza.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email