quinta-feira, 7
 de 
julho
 de 
2022

O Brasil está quebrado?

Não é novidade que o Brasil atravessa um período de crise e expressiva preocupação com o seu futuro, sobretudo com o número crescente do desemprego nos últimos anos. Não há a menor chance de proporcionar qualidade de vida e bem estar social para uma família que não consegue colocar alimento na mesa e garantir a manutenção básica da sua casa. O poder público, responsável por dar direção ao país, com sustentabilidade e progresso, tem falhado gravemente na sua função.

Nesta semana, por exemplo, tivemos duas notícias que mostram o tamanho da desigualdade em se tratando de concentração de renda e poder de investimentos no Brasil. Uma notícia fala dos lucros recordes das instituições bancárias. Enquanto que a outra conta que o investimento público no país caiu ao menor patamar dos últimos 50 anos e ficou em 1,17% do Produto Interno Bruto (PIB).

Ou seja, os bancos continuam lucrando bilhões ano após ano, esteja o país em crise ou não. Já os investimentos públicos, aqueles que podem melhorar a vida das pessoas, estão em queda livre. Segundo reportagem do Estadão, de São Paulo, a situação é tão grave que, no ano passado, o dinheiro aplicado pelos três níveis de governo não foi suficiente sequer para garantir a conservação de estradas, prédios e equipamentos que pertencem ao poder público.

O Produto Interno Bruto – que chamamos de PIB, é resultado de tudo que produzimos no país. Portanto, é possível fazer esse paralelo mostrando que quanto mais o trabalhador brasileiro produz, menor é a resposta do poder público. E isso se dá porque o custo da máquina pública está cada vez mais alto. Ao invés do dinheiro dos impostos ser usado para o progresso na nação, é utilizado para pagar salários e benefícios de políticos, servidores públicos, juizados, e tantas outras estruturas que compõem esse verdadeiro elefante branco que é o setor público brasileiro.
Por muitas vezes já ouvimos que o “Brasil está quebrado”. Podemos afirmar que se dependesse unicamente dos governos certamente seria essa a consequência. No entanto, graças a força do trabalho e do empreendedorismo dos brasileiros, ainda continuamos em pé. Muito castigados, mas ainda em pé.

A questão é; até quando? O Brasil necessita urgentemente de reformas estruturantes. A reforma tributária, a reforma da previdência, e a reforma política. Incluindo ainda, o fim da corrupção, a extinção de privilégios e a diminuição do estado. Não podemos mais viver apenas da retórica.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email