segunda-feira, 27
 de 
setembro
 de 
2021

Não cumprimento de promessas pode gerar nova greve dos caminhoneiros

Greve dos caminhoneiros teve paralisações em várias rodovias da região e atingiu diretamente toda a população. Classe não teve as reivindicações atendidas e passa dificuldades. Foto: Arquivo/O RegionalNo ano passado, o Brasil literalmente parou com a greve dos caminhoneiros que obstruiu as principais rodovias de todo o Brasil e provocou o desabastecimento de produtos. Para conter a crise, o governo federal editou uma série de medidas para melhorar a rentabilidade e as condições de trabalho do transportador autônomo. No entanto, quase um ano após o encerramento do manifesto, poucas promessas foram cumpridas e, em virtude disso, novos protestos serão realizados.

Segundo a Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA), composta por 140 sindicatos e 8 federações, será realizada uma carreata neste sábado em várias cidades do Brasil com o intuito de chamar atenção do governo para algumas insatisfações da categoria, entre elas o não cumprimento da lei do piso mínimo do frete e o aumento expressivo do óleo diesel. Ainda de acordo com a entidade, serão apoiadas as medidas tomadas pela categoria, no entanto, o movimento de amanhã não tem finalidade grevista.

Para o presidente do Sindicato dos Transportadores Autônomos de Carga (Sinditac), Plínio Dias, a postura do governo tem desagradado os caminhoneiros. “A única promessa cumprida e, que já era prevista em lei, é a não cobrança do eixo suspenso nas praças de pedágio. O piso mínimo de frete não tem fiscalização alguma e é simplesmente ignorado, sendo que o preço do óleo diesel vem aumentando semanalmente”, lamenta Dias, convocando os motoristas de toda a região para uma carreata neste sábado, a partir das 10 horas, na Linha Verde, em Curitiba. “É uma manifestação pacífica que pretende chamar atenção do governo e fazer com que ele ouça de fato a categoria e não pessoas e entidades infiltradas nas negociações que não representam a classe”, enfatizou.

O gerente da Cooperativa dos Transportes de Carga do Suleste Paranaense (Cooperleste), Wilson Fragoso, reitera que a categoria está descontente com o cenário atual. “O preço do óleo diesel abaixou para cerca de R$ 2,60 na época do manifesto e agora já têm postos que o valor ultrapassa R$ 3,40 com reajustes frequentes”, detalha Fragoso. O piso mínimo do frete também é uma medida que não teve o efeito desejado. “Não adiantar criar uma lei e não ter a fiscalização necessária para se fazer cumprir. As empresas não pagam o valor da tabela e a defasagem varia de 20 a 50% do valor, sendo que alguns empreendimentos abrem concorrência para os fretes, onde os autônomos ou cooperativas não têm como competir com grandes transportadoras”, lamenta, em decorrência destes fatores, o caminhoneiro transporta para dar sobrevivência à sua família e não consegue nem mesmo fazer a manutenção correta do veículo.

Nas últimas semanas, ministros estiveram reunidos com representantes da classe e dentro de alguns dias o governo federal deverá se posicionar. Caso não haja uma melhora neste cenário, não está descartada uma nova paralisação.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email