sábado, 2
 de 
março
 de 
2024

Participação da mulher nas eleições é tema de encontro

Reunião abordou assuntos relacionados a representatividade da mulher na política. Foto: Orlando Kissner/Alep
Reunião abordou assuntos relacionados a representatividade da mulher na política. Foto: Orlando Kissner/Alep
Bancada feminina da Assembleia e representantes do Judiciário debateram dificuldades e possíveis soluções para aumentar representatividade da mulher na política

Integrantes da bancada feminina da Assembleia Legislativa e representantes do poder Judiciário e da sociedade civil estiveram reunidas, na última segunda-feira, para um debate sobre a ampliação da participação de mulheres nas próximas eleições. O encontro discutiu os principais problemas enfrentados pelas mulheres ao participar de um pleito, como a violência político-partidária, a discriminação e a distribuição desigual do fundo partidário

Na oportunidade, eles apresentaram mecanismos para aumentar a representatividade feminina na política e reforçaram a necessidade de um trabalho conjunto entre os poderes e representantes da sociedade para garantir uma disputa igualitária entre os gêneros nas eleições. Entre as ideias discutidas está a criação de materiais informativos contendo os direitos das candidatas, além de interiorizar o debate, levando a discussão para os municípios do interior.

A reunião contou com a participação das deputadas que compõe a bancada feminina, da desembargadora Astrid Maranhão e da presidente da Comissão das Mulheres da Política e dos Espaços de Decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PR), desembargadora Luciani Tesseroli Maronezi. A magistrada lembrou que a intenção é oferecer a orientação do órgão para aumentar o número de mulheres ocupando cargos eletivos.

A deputada Cristina Silvestri, que organizou o encontro, afirmou que o objetivo é garantir os direitos das mulheres que pretendem se candidatar. “Hoje tivemos esta reunião muito importante, em que a desembargadora Luciani veio nos ouvir e pedir a nossa opinião sobre desafios e de que forma o judiciário poderia nos ajudar. Também contamos com a participação de outras entidades representativas para colaborar com o debate. Como mulheres, estamos nos unindo cada vez mais, pois queremos garantir direitos e a equidade entre os gêneros. Por isso contamos com a ajuda do judiciário. Queremos fazer reuniões regionais para atingir todos os municípios do Paraná. As mulheres precisam conhecer seus direitos, o que pode e o que não pode para ser uma candidata. Muitas vezes, as mulheres entram como candidata em um pleito, mas só depois vão descobrir as dificuldades. Queremos oferecer essa orientação”, exemplificou.

Segundo a desembargadora Luciani Tesseroli Maronezi, o TRE já desenvolve um trabalho neste sentido, com a elaboração de materiais informativos. “Tivemos aqui uma reunião com a Bancada Feminina para efetivar a participação da mulher na política. Nós vamos continuar o nosso trabalho com uma cartilha de incentivo às mulheres ao protagonismo político e nos espaços de decisão. Fizemos esta cartilha no TRE e levamos para as mulheres, para os partidos políticos e outros segmentos da sociedade. Estamos incentivando as mulheres a conhecer de seus direitos. Se não souberem disso, elas nem participam. As mulheres têm de saber que têm direito a se candidatar igualmente como os homens, que têm dinheiro destinado a elas no fundo de participação e no fundo partidário, além de espaço jornalístico na televisão, no rádio. Isso foi uma mudança muito relevante”, comentou.

A líder da bancada feminina da Assembleia, deputada Mabel Canto (PSDB), considerou o debate urgente e necessário. “Sempre nos reunimos com outros poderes e a sociedade civil organizada para levar a temática da mulher na política, destacando a importância de termos mais mulheres ocupando esse espaço de liderança. É importante que tenhamos as mulheres como protagonistas, aumentando a representatividade. Precisamos iniciar esse debate agora. Não dá para deixar para o final, ano que vem já está aí. Estamos a quase um ano das eleições. Nós temos que nos organizar, independentemente da questão partidária. Queremos mais mulheres ocupantes de cargos”, disse.



Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email