domingo, 14
 de 
abril
 de 
2024

Ministério Público recorre da decisão do júri popular do caso Loir e Genésio

Fórum de Rio Negro é o responsável pelo caso
O julgamento foi realizado entre os dias 21 e 26 de junho. Amilton Padilha e Orvardir Pedrini foram condenados. Já o ex-prefeito de Piên, Gilberto Dranka, e o ex-presidente da Câmara de Vereadores, Leonides Maahs, foram absolvidos

 

O Ministério Público através da 1ª Promotoria de Justiça da Comarca de Rio Negro entrou com um recurso em desfavor a decisão do Tribunal do Júri. O julgamento ocorreu entre os dias 21 e 26 de junho no Fórum de Rio Negro. 

Na ocasião, o ex-prefeito de Piên, Gilberto Dranka, e o ex-presidente da Câmara de Vereadores, Leonides Maahs, foram absolvidos. Até então, eles eram acusados em um suposto envolvimento nos assassinatos do prefeito eleito no ano de 2016, Loir Dreveck, e do técnico de segurança do trabalho, Genésio Almeida. 

O recurso apresentado pelo Ministério Público, através do promotor Juliano da Silva, argumenta que a pena decretada a Amilton Padilha e Orvardir Pedrini, foi menor do que deveria ser julgado. O promotor também apresentou um Recurso de Apelação, solicitando a reabertura do prazo para uma nova apresentação das razões que justificam o apelo. Segundo o promotor, a decisão do Conselho de Sentença foi contrária às provas contidas nos autos. 

Histórico – Amilton Padilha, apontado como autor dos disparos, foi condenado a 48 anos de prisão. Orvandir Pedrini, o Gaúcho, a 36 anos. As defesas de ambos também já apresentaram petição de interposição de recurso.

O caso segue ao juiz do fórum de Rio Negro, que pode ou não acatar o apelo. Caso isso ocorra, caberá ao Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR) decidir. Todas as partes envolvidas podem ainda recorrer ao Supremo Tribunal Federal. 

A defesa do ex-prefeito Gilberto Dranka, pelo advogado Claudio Dalledone Junior, afirmou que o fato do Ministério Público recorrer da decisão o surpreendeu. “O que o Ministério Público deveria fazer é deixar transitar em julgado e continuar as investigações”, disse. Segundo Dalledone, as investigações fizeram com que os verdadeiros mandantes do crime ficassem impunes até agora. “O Ministério Público deveria sim reunir forças e esforços para investigar”, concluiu. Dalledone afirmou que o caso continua em aberto e que quem mandou mandar Loir Dreveck continua solto.

O advogado Nilton Ribeiro de Souza, da defesa do ex-presidente da câmara Leonides Maahs, também falou sobre o recurso do Ministério Público. “O recurso não será provido, pois não há nenhuma nulidade a ser sanada e a decisão dos jurados é soberana”, declarou o advogado.



Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email