segunda-feira, 14
 de 
junho
 de 
2021

Investimento em merenda e manutenção das escolas somou R$ 317 milhões

Foto: Geraldo Bubniak
Foto: Geraldo Bubniak

A Secretaria de Estado da Educação e do Esporte investiu, ao longo de 2020, na entrega da merenda para garantir a alimentação dos estudantes que não puderem mais fazer refeições nas escolas, uma vez que foram adotadas as aulas remotas por causa da pandemia. A distribuição dos kits de alimentos aconteceu quinzenalmente, até 04 de dezembro, e totalizou um investimento de quase R$ 188 milhões.

Natália Prado, avó de Camila, estudante de Ponta Grossa, faz parte de uma das famílias beneficiadas pela entrega dos alimentos. “Desde o começo da pandemia os kits foram uma grande ajuda para nossa família. Sempre vêm frutas, verduras e itens que ajudam a gente a montar a refeição”, comenta.

Ela explica que a família é mantida por pensões, pois o marido sofre de um problema nas mãos e não pode trabalhar. “Ainda mais com os itens da cesta básica que estão muito caros, os kits de merenda acabaram sendo um suporte para nós durante o ano.”

Além da alimentação, a secretaria também destinou recursos para a revitalização de colégios por meio do programa Escola Bonita, que totalizou R$ 19,2 milhões, e do fundo rotativo, que destinou cerca de R$ 110 milhões à manutenção básica das escolas, incluindo reparos e aquisição de materiais. O investimento total na manutenção e revitalização de colégios chegou a aproximadamente R$ 129,2 milhões.

O Centro de educação de Jovens e Adultos (Ceebja) Professora Maria Deon de Lira, no bairro Boqueirão, em Curitiba, foi um dos colégios que participaram do Escola Bonita. Nele, houve pintura do muro, aquisição de equipamentos de iluminação para a quadra — os alunos do período noturno não podiam praticar atividades esportivas devido à escuridão — e a construção de um laboratório de Ciências, com bancada, pia e banquetas.

“Antes, o professor precisava levar os materiais, como microscópios e a peça de dorso, para cada sala de aula. Agora, há um lugar para centralizar itens para o estudo das Ciências”, diz Luciana Luchetti, diretora da instituição.

MERENDA — Desde o fim de março de 2020, quando iniciaram as aulas remotas, a secretaria estadual da Educação promoveu quinzenalmente a entrega de kits com alimentos da merenda escolar, compostos por arroz, feijão, macarrão, farinha de milho, açúcar e óleo de soja, entre outros alimentos. A ação foi organizada com o intuito de manter as refeições dos estudantes que, em virtude da pandemia, deixaram de fazê-las nas escolas. O investimento anual chegou a R$ 187,9 milhões.

ESCOLA BONITA — O programa Escola Bonita, criado no início deste ano, foi encerrado em outubro, totalizando R$ 19,2 milhões empregados na revitalização de escolas da rede estadual. Cada colégio pôde usar os recursos de acordo com suas necessidades, incluindo pintura, reparos em estruturas físicas, melhorias nos espaços comuns, bibliotecas, laboratórios, quadras esportivas e pátios, além de serviços de jardinagem e limpezas especializadas.

FUNDO ROTATIVO — O valor investido em 2020 na manutenção básica dos colégios da rede estadual foi de cerca de R$ 110 milhões. A verba, liberada gradualmente para as escolas, de fevereiro a novembro, é destinada à aquisição de materiais e à execução de pequenos reparos.

Fonte: AEN

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email