sexta-feira, 25
 de 
junho
 de 
2021

Governo Federal autoriza suspensão da vacinação contra aftosa no Paraná

Documento foi assinado pela ministra Tereza Cristina e o governador Ratinho Junior em cerimônia nesta semana. Foto: Rodrigo Félix Leal/AENEm cerimônia no Palácio Iguaçu, em Curitiba, na última terça-feira, o Paraná foi autorizado a suspender a vacinação contra a febre aftosa em todo o estado. A suspensão da vacinação foi autorizada por instrução normativa assinada pela ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, e o governador Carlos Massa Ratinho Junior.

Com a medida, a partir de novembro, o rebanho de 9,2 milhões de bovinos e bubalinos do estado não será mais vacinado contra a doença. O fim da vacinação dará início à campanha de cadastramento obrigatório do rebanho, com vigilância sanitária redobrada.

A ministra Tereza Cristina afirmou que o Paraná inaugura uma nova era sanitária no país. “Consideramos todos os critérios técnicos do governo do Estado. Houve um calendário de ações, investimentos financeiros e veterinários. O Paraná vai ser uma excelência nas cadeias produtivas dos animais. Santa Catarina era um Estado pequeno e que tinha muito mais facilidade nesse status. O Paraná deu um passo enorme”, explicou.

Para o governador Ratinho Junior, o Estado atinge um novo patamar sanitário no agronegócio mundial e o fim da vacinação contra a aftosa permite aos produtores paranaenses conquistarem novos mercados nas cadeias de todas as carnes. “Essa medida abre um leque de mercado no mundo. Cerca de 65% dos países não compram carne suína do Paraná em função da vacinação contra aftosa. A pecuária paranaense passa a ter um novo patamar. Vamos resgatar a produção de bezerros, melhorar a genética animal e ampliar as granjas”, pontuou.

O secretário de Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara, enalteceu que o Paraná se preparou para esse momento com georreferenciamento de todas as propriedades rurais, constituição de um fundo para eventual sacrifício sanitário e melhoria da vigilância. “Criamos um conjunto de soluções que o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento referenda como o melhor do País”, afirmou

Seguindo os trâmites da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), o Brasil vai pleitear, em setembro de 2020, o reconhecimento internacional do Paraná como área livre de aftosa sem vacinação, que deverá ser oficializado pela OIE, em maio de 2021.

Cadastramento obrigatório – A campanha de vacinação será substituída pela campanha de atualização do rebanho. A medida acontecerá duas vezes por ano, nos meses de maio e novembro, e ficará a cargo da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar). O cadastro pode ser realizado diretamente no site www.adapar.pr.gov.br, nas unidades da agência espalhadas pelo Estado e em instituições autorizadas, como algumas prefeituras e sindicatos rurais.

Caso o produtor não realize o cadastro ficará sujeito a penalidades e não receberá a Guia de Trânsito Animal (GTA), documento obrigatório para o trânsito de animais. A primeira campanha de atualização acontecerá de 1º a 30 de novembro.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email