terça-feira, 26
 de 
outubro
 de 
2021

Fazendo contas

A recessão financeira no país atingiu diretamente as prefeituras, em especial aquelas de pequeno porte. A queda no repasse de recursos e o bloqueio de verbas por parte do governo federal fizeram um rombo nas contas dos municípios. O dinheiro diminuiu, mas os serviços e demandas aumentaram. Agora, no encerramento de gestão e com a Lei de Responsabilidade Fiscal em vigor é necessário fazer e refazer contas.

A realidade das prefeituras parece muito com uma família que tinha três rendas em casa e de repente fica apenas com duas. O dinheiro das três pessoas empregadas dava certinho para manter a casa e a família, porém, agora são somente duas rendas e as despesas continuam as mesmas. Obviamente faltará dinheiro, e terão que fazer escolhas sobre o que pagar e o que não pagar.

É exatamente isso que está acontecendo com as prefeituras neste final de ano, estão escolhendo entre pagar salários, pagar décimo terceiro, pagar fornecedores ou pagar prestadores de serviços. Todo o recurso que era previsto não se concretizou.

Mudando ou não a administração do município, é importante destacar que tanto os servidores quanto os fornecedores e prestadores de serviços têm total direito por suas remunerações e pagamentos. Neste sentido, é fundamental que exista uma alternativa nessa alternância de mandato. O que é justo, é justo.

Nesta tarefa de fazer contas, ressalta-se também que o comércio e a indústria local dependem muito do que o poder público coloca em circulação na economia das cidades.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email