segunda-feira, 21
 de 
junho
 de 
2021

Estudo aponta que delegacias da região têm 291 acima da capacidade

Além de não ser o local ideal para abrigar os detentos, delegacias sofrem com as superlotações e o medo de fugas.Foto: Divulgação Conselho da Comunidade de CuritibaA superlotação das delegacias de polícia de toda a região é um grave e crônico problema enfrentado já há longa data. Segundo um estudo divulgado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o Paraná registrou, em maio deste ano, 33.914 presos, extrapolando em 6.663 sua capacidade máxima.

Na região, as delegacias contam com a capacidade para abrigar 1.031 detentos, no entanto, estavam com 1.322 em maio, excedendo em 291 presos o limite máximo. Na delegacia de Fazenda Rio Grande, o espaço foi projetado para receber até 16 pessoas, mas registrou 63 reclusos. Neste estudo, foram contabilizados os detentos que cumprem pena em regime fechado e semiaberto, além daqueles que estão detidos aguardando julgamento ou estão em prisão domiciliar. Confira abaixo os números detalhados de cada estabelecimento policial.

Devido à falta de vagas no sistema penitenciário, as delegacias acabam assumindo um papel que não lhes é devido, sendo que a transferência para cadeias públicas deveria acontecer pouco tempo após a prisão. Com isso, o trabalho investigativo da Polícia Civil fica comprometido, já que os investigadores passam a executar as atividades que competem a agentes carcerários.

Com o passar do tempo, a situação vem se agravando, haja visto que a transferência dos presos para o sistema prisional é bem menor quanto a proporção de novas prisões. Um dos exemplos claros disso é a delegacia de Rio Negro, a qual tem capacidade para 28 detentos, mas que estava com 55 em maio e agora abriga 66 reclusos. “A última transferência aconteceu há cerca de dois meses. Em estados próximos, como Santa Catarina, a realidade é totalmente diferente e nenhum preso fica recluso na delegacia”, relata o delegado Sérgio Luiz Alves.

Devido à superlotação, um dos iminentes perigos são as fugas e rebeliões. Na delegacia da Lapa, em maio deste ano 16 detentos fugiram. “Infelizmente, a estrutura do prédio e também de efetivo policial são precárias, estando sujeito a estes sérios riscos. A capacidade que temos é de 16, mas atualmente estamos com 51 presos”, detalha o delegado Vinicius Fernandes Maciel, pontuando algumas dificuldades. “Frequentemente são apreendidos celulares e outros materiais, sendo difícil de combater a entrada destes itens devido ao grande acúmulo de pessoas. Além disso, a parte mais grave é que a investigação, necessária para coibir e evitar novos crimes, fica completamente comprometida”, salienta.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email