segunda-feira, 27
 de 
setembro
 de 
2021

Cultivo de amora é opção de diversificação agrícola

Fruta tem grande mercado que pode ser explorado na região. Foto: Arquivo/O RegionalA diversificação da produção agrícola é fundamental para que haja rentabilidade no setor e para que se propicie condições para que as famílias se mantenham na área rural. Na região, o cultivo de amora tem sido iniciado e é uma das alternativas que têm grande espaço para expansão.

Na localidade de Letreiro, em Piên, o produtor Aldesio Kurovski iniciou o cultivo da amora preta orgânica em 2017. “Queria apostar em uma nova alternativa, fiz pesquisas na internet e visitei lavouras em Campo Alegre para conhecer mais. Por ser uma cultura que exige pouca área e tem uma boa rentabilidade decidi fazer o investimento”, recorda. Ele conta que inicialmente plantou uma variedade da fruta, mas, em visita ao Iapar da Lapa, conheceu uma nova opção sugerida pela Embrapa e trazida diretamente do Rio Grande do Sul. “A produtividade foi melhor e na última safra obtive cerca de 1,8 quilo por pé”, detalha Aldesio, que conta com 500 pés plantados.

Aldelsio mostra como funciona o cultivo da amora, que tem manejo semelhante ao da uva. Foto: Arquivo/O Regional

Na parte do manejo da amora, é necessária a limpeza rotineira, amarração dos galhos, irrigação e controle de doenças com o uso de produtos orgânicos. “Durante o inverno é realizado também a poda, sendo que a colheita é iniciada em novembro e se estende até janeiro”, relata Aldesio. Para estocar a amora, o produtor adquiriu uma câmara fria, sendo que a fruta precisa ser congelada para manter a qualidade. “Investi ao todo, cerca de R$ 6 mil e este valor já tive retorno”, comenta, pontuando sobre a experiência obtida com a nova cultura. “Como não tenho assistência técnica, busco realizar visitas e participar de eventos para me inteirar por conta própria da produção. Esta parte é fundamental e impacta diretamente na produtividade”, salienta.

Neste primeiro momento, Aldesio tem comercializado a amora in natura, atendendo a fornecedores e a venda direta à população, sendo que o preço por quilo é de R$ 10,00. “Toda a produção já está vendida. Além disso, realizo de forma artesanal o suco e a geleia”, destaca. O produtor é cooperado da Copasol Sul e espera, através da cooperativa, iniciar o processamento em forma de polpa, geleia e suco. “É necessária toda uma documentação para que possamos revender estes produtos no mercado comum. Esperamos em breve poder dar este importante passo”, concluiu.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email