terça-feira, 9
 de 
agosto
 de 
2022

Crack avança e municípios ficam em alerta no combate ao entorpecente

Considerado um dos mPrintaiores problemas sociais em todo o país, o consumo de drogas ilícitas ainda é um grande mal a ser combatido em território nacional. Entre as principais substâncias em circulação estão maconha, cocaína e crack, este último considerado um dos mais prejudiciais à saúde humana.

Recentemente, o Observatório do Crack, portal ligado à Confederação Nacional dos Municípios (CNM), revelou que o entorpecente está cada vez mais disseminado em pequenas cidades e áreas rurais, apontando o nível dos problemas relacionados ao consumo de crack. Na região, a grande maioria dos municípios que compõem o suleste paranaense apresenta nível médio, no entanto, Campo do Tenente é o único município onde este índice chega a escala ‘alta’.

Buscando oferecer auxílio às famílias e dependentes químicos foi criado em Campo do Tenente o Comitê Gestor Inter Setorial Municipal de Saúde Mental. “Há uma equipe multidisciplinar de atendimento aos familiares e usuários, com palestras, debates e capacitações. As drogas causam destruição e a grande maioria das famílias só percebe a realidade quando já está em um estágio bem avançado”, explicou o psicólogo e presidente do comitê, Gilson Antonio Arruda, destacando alguns resultados obtidos com o trabalho no município. “Com o comitê já conseguimos convênio com uma clínica e atendimento psiquiátrico para os dependentes”, afirmou.

Delegado relata as dificuldades no combate ao crack, que é uma droga facilmente encontrada. Foto: Arquivo/O Regional

De acordo com o delegado da Polícia Civil da Lapa, Vinicius Fernandes Maciel, o crack é facilmente encontrado na região. “Esta droga é mais utilizada por usuários de classe baixa, com pedras sendo encontradas ao valor de R$ 10,00. O uso dela provoca alucinações e o efeito passa rápido, por isso, em uma noite, a pessoa utiliza facilmente cerca de 10 pedras”, analisa Vinicius. O crack é classificado como altamente perigoso e de vício rápido. “Os efeitos colaterais são severos, sendo que a fisionomia da pessoa que usa esta droga muda muito, onde naturalmente haverá emagrecimento e perda de sono”, explica.

Para o delegado, a principal dificuldade para o combate ao tráfico de drogas está na falta de estrutura policial. “Faltam profissionais para que haja uma investigação mais intensa. Somado a isso, está a lei que é branda e falha, sendo que quando um usuário é pego ele não recebe punição alguma, no entanto, ele ajuda a financiar um sistema criminoso que atinge várias pessoas”, pondera Vinicius, reforçando a importância da aproximação dos pais na vida dos filhos. “As drogas não escolhem classe social e nem faixa etária. Se os responsáveis não estiverem próximos, certamente a criminalidade e as más companhias vão ganhando espaço. É necessário agir antes das coisas terem acontecido”, concluiu Vinicius.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email