sexta-feira, 19
 de 
agosto
 de 
2022

Corrupção e morte nas rodovias

Beto Richa (foto) deixou o governo do Paraná em abril do ano passado com uma vaga no Senado Federal dita como garantida, além disso, pretendia eleger o filho deputado estadual e continuar sendo referência do seu partido, o PSDB, no estado. Nem uma coisa e nem outra. E o pior, foi parar na prisão e colocou definitivamente o governo paranaense nas páginas policiais. Richa foi denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF) por corrupção passiva e pertencimento a organização criminosa em um esquema de propina em contratos de concessão de pedágio. Aponta-se o desvio de R$ 8,4 bilhões por meio do aumento de tarifas de pedágio do Anel de Integração, e de obras rodoviárias não executadas. Tudo isso teria resultado no pagamento de propina na ordem de R$ 35 milhões.

Só nesta operação, feita de forma conjunta pela Polícia Federal e Receita e Polícia Rodoviária Federal, 33 pessoas foram denunciadas. E além do condenável fato da apropriação indevida do dinheiro público, há um agravamento sem tamanho, a avaliação feita pela força-tarefa da Lava Jato de que “muitas mortes teriam sido evitadas” se as obras de duplicação das estradas que estavam programadas para o Anel de Integração do Paraná tivessem sido realizadas. “Esse talvez seja o caso da Lava Jato em que haja uma relação mais direta, clara, imediata, entre a corrupção e as mortes que ela ocasiona. Muitas mortes teriam sido evitadas se essas duplicações tivessem acontecido do modo adequado” disse nesta semana o procurador do Ministério Público Federal (MPF), Deltan Dallagnol.

Preso desde a última sexta-feira, Beto Richa foi transferido ontem do Batalhão de Polícia Montada Coronel Dulcídio, da Polícia Militar, para o Complexo Médico Penal de Pinhais, unidade onde estão presos da Justiça Federal, principalmente os envolvidos na Operação Lava Jato. Acredita-se que ainda há muito o que se revelar em relação a passagem do tucano pelo governo do Paraná e nos bastidores da política local fala-se também no envolvimento de figuras conhecidas e até com mandato eletivo em curso.

É no mínimo intrigante pensar que alguém nascido numa família abastada e de tamanha tradição e que chega ao cargo de governador de um estado precise praticar corrupção. Por sinal, sem a mínima preocupação com eventuais consequências. Obviamente que uma pessoa só não consegue operar um esquema desse volume, existe muitos envolvidos. Todos, é claro, embriagados pelo desejo desenfreado de riqueza, poder e fama.

As colocações do procurador Deltan Dallagnol provocam ampla reflexão do quanto custa a corrupção para o país. Neste caso, em especial, além de custar muito dinheiro, também podem ter custado muitas vidas.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email