quinta-feira, 17
 de 
junho
 de 
2021

Comercialização do fumo preocupa os produtores

Entidades de apoio aos fumicultores vêm, desde safras anteriores, acompanhando o processo de compra do fumo. Foto: Luciana Jost Radtke/AfubraA fumicultura vem sendo diretamente impactada pelos efeitos da pandemia da Covid-19. Após uma boa produtividade e o término da colheita, a comercialização foi iniciada nos primeiros meses do ano, mas logo suspensa por um breve período, sendo retomada com várias restrições da saúde, o que fez com que este processo se estendesse. Com alta produtividade e a recessão econômica, as empresas fumageiras tornaram a classificação ainda mais rígida, desagradando os produtores.

Segundo o inspetor de campo da Afubra, Vilmar Niser, a pandemia fez com que o ritmo de compras das empresas caísse drasticamente. “Em alguns casos, este procedimento vai se estender até o próximo mês”, relata Niser, pontuando sobre a produção desta safra. “Foi uma lavoura que apresentou boa quantidade, no entanto, o fumo da copa sofreu uma queda na qualidade devido à seca dos primeiros meses do ano”, relata.

Com a produção alta, as fumageiras têm tido grande rigor na compra, adquirindo apenas a estimativa que havia sido calculada com o orientador. “É uma prática, que não é recomendada, mas muito comum dos agricultores o plantio de uma parte extra, que não é contratada pelas empresas. Geralmente, este tabaco não tem seguro em caso de granizo e é comercializado a terceiros”, explica Niser, pontuando que neste ano o cenário se inverteu. “Está sobrando tabaco e pode ter produtores que vão ficar com esta parte adicional no galpão. Com isso, estão havendo muitos casos de produtores que têm entregado o fumo por um valor muito abaixo do valor real, não cobrindo nem mesmo os custos de produção”, conta Niser.

Para a próxima safra, a estimativa é de que a área plantada se mantenha ou amplie, o que pode dificultar ainda mais a valorização da fumicultura. “Nos três estados do Sul, a produção desta safra deve fechar com um acréscimo de 50 mil toneladas, chegando próximo a 700 mil. Apesar disso, não vemos qualquer sinalização de uma diminuição da produção”, detalha Niser, salientando a necessidade de se diminuir o plantio. “É preciso que o agricultor plante a quantidade de tabaco que a propriedade absorva, priorizando a utilização de mão de obra familiar. Caso contrário, o produto terá excesso e seguirá desvalorizado, fazendo com que para muitos se torne inviável se manter na atividade”, alerta.

Próxima safra – A espera de finalizar a venda da lavoura atual, os produtores já deram início aos trabalhos da safra 2020/2021. Nas últimas semanas, os trabalhos estiveram concentrados na confecção dos canteiros, sendo também semeados canteiros. A Afubra ressalta que os produtores devem estar atentos as recomendações dos orientadores das empresas contratadas.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email