segunda-feira, 23
 de 
maio
 de 
2022

Após pedido de reajuste de 4,7%, preço tabela do fumo segue indefinido

Empresas fumageira ainda não apresentaram reajuste desejado pelas entidades que representam os agricultores. Foto: Arquivo/O RegionalAinda de forma tímida, foi iniciada nos últimos dias na região a colheita do tabaco safra 2017/2018. Paralelo a este processo, as entidades que representam os fumicultores estão ajustando o novo preço de tabela com as empresas fumageiras. Na última semana, a primeira rodada de negociações foi realizada, mas nenhum acordo foi firmado.

As negociações estão sendo realizadas de forma individual com as empresas fumageiras. Neste primeiro momento, as entidades apresentaram que o custo de produção aumentou em 2,7% e reivindicaram um aumento de 4,7%. “Este percentual de custos é calculado pelas entidades analisando vários fatores, que vão desde aos valores com insumos, defensivos, mão de obra, entre outros. Infelizmente, somente três empresas apresentaram propostas, estas abaixo do solicitado”, conta o coordenador de campo da Afubra, Edemar Pedro Konckel. Na última safra, o reajuste chegou a 8,5%. “Os valores dos produtos oscilam muito e isso acaba atingindo diretamente no aumento do valor final do produto. O que reivindicamos de fato é que o processo de compra seja justo, de nada adianta ter um reajuste considerável se a classificação for muito rigorosa e sem critérios, como registramos em anos anteriores, principalmente no fumo fino, que é o de baixo pé e de menor qualidade”, pontua Edemar.

Nos próximos dias, novas rodadas de negociações devem ser realizadas, sendo que o prazo final para a manifestação das empresas é no próximo dia 20, seguindo determinação do Fórum Nacional de Integração do Tabaco (Foniagro). “A definição deve acontecer ainda neste mês, sendo favorável para todos os envolvidos”, salienta Edemar, lamentando o impasse. “Até o momento há uma frustração com as negociações. É necessário que o trabalho do fumicultor seja valorizado, caso contrário a margem de lucratividade será comprometida, bem como a manutenção dos agricultores na atividade”, concluiu Edemar.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email