sábado, 21
 de 
maio
 de 
2022

Alunos buscam alternativas para perdas com a greve

Manuella utilizou o período sem aulas para reforçar os estudos por conta/Foto: O RegionalA greve dos professores da rede estadual de ensino, ocasionada pelo desentendimento entre a classe e o governo, já causa uma série de transtornos. E os mais prejudicados com tudo isso acabam sendo os alunos, que estão sem aulas e se mostram preocupados quanto à reposição das atividades.
Nesta semana, houve reunião sobre o reajuste dos servidores estaduais, a qual terminou sem acordo. Com a indefinição sobre o reinício das aulas, alguns colégios da região decidiram retomar as atividades. Um exemplo é o Colégio Frederico Guilherme Giese, de Piên, que reiniciou as aulas na quarta-feira.
Com um período sem aulas de um mês e meio – se somados os dois períodos de greve – a preocupação maior é para os alunos do 3º ano do ensino médio. Isto porque podem ficar prejudicados quando da realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e vestibulares, pois, mesmo com as reposições, é difícil que o conteúdo esteja equilibrado até lá.
É o caso da aluna pienense Manuella Ritzmann, do colégio Frederico, que dedicou períodos de estudo em casa durante a greve, para que todo o tempo não fosse perdido. “Mas mesmo assim, nem sempre é o suficiente do que com um professor”, pondera ela, que visa o ensino superior e que demonstrou certo alívio com o reinício das aulas onde estuda. A formatura também é outra preocupação dos alunos da turma.
O Colégio Rui Barbosa, de Agudos do Sul, também está em atividade. As aulas já haviam sido reiniciadas com todos os professores na semana passada. Segundo a direção, um representante da APP-Sindicato, que representa a categoria, esteve no estabelecimento e quatro educadores aderiram novamente à paralisação. “As reivindicações merecem a luta dos educadores, mas pensamos na reposição de conteúdo aos alunos”, declara a diretora, Keila Fagundes.
A diretora conta que uma professora realiza um trabalho voluntário de preparação para o Enem, com contribuição de outros educadores. Com a greve, a adesão dos alunos do terceiro ano ao projeto foi boa. Outros também procuram cursos pagos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email