segunda-feira, 23
 de 
maio
 de 
2022

Um ano de muitas expectativas

O ano de 2018, no mínimo, será diferenciado por toda movimentação e expectativa em torno de alguns acontecimentos no seu decorrer. Já neste primeiro trimestre são dois momentos que vão gerar muita notícia e também profundo debate nacional. Primeiro, o julgamento do ex-presidente Lula que poderá torná-lo inelegível e eliminar sua possibilidade de candidatura. Alguns falam até na prisão do ex-presidente, o que consideramos pouco provável. Líder em todas as pesquisas, Lula viaja o país em forte pré-campanha. Outro tema relevante neste início de ano é a votação da reforma da previdência. Assunto que o governo do presidente Michel Temer considera imprescindível para alavancar uma candidatura do planalto a presidência. Fala-se em Henrique Meirelles ou Rodrigo Maia. A reforma da previdência tem um amplo apoio de alguns setores e forte crítica de outros. Quem vota são os deputados, e hoje eles estão divididos.

A recuperação da economia e a geração de novos postos de trabalho é a grande incerteza e preocupação da população. Mas talvez tudo isso fique um pouco esquecido no meio do ano, quando chegar a Copa do Mundo de futebol. Gostemos ou não, é um evento que muda a rotina de todos e, dependendo do desempenho da seleção, até o humor melhora.

Mas, sem dúvidas, a principal agenda do Brasil neste ano é a realização da eleição nacional. Nunca existiu um quadro tão incerto como o que estamos vivenciando atualmente. A recente crise política instalada no país produz os mais diversos sentimentos em relação ao pleito eleitoral. Inclusive, um sentimento preocupante, que é do desinteresse e da descrença da população. O surgimento de muitos movimentos que defendem a renovação na política tem buscado devolver ao cidadão brasileiro a esperança e vontade de participação. Por enquanto os resultados são tímidos, muito distantes do que se viu no chamado “vem pra rua” no período do pedido de impeachment.

O jornal O Regional em toda sua linha editorial durante o último ano defendeu a participação mais efetiva das pessoas na política. Não somente como candidatos ou militantes, mas numa forma de acompanhamento, fiscalização e posicionamento. A internet e, principalmente, as redes sociais, permitem esse tipo de envolvimento. Além, é claro, da relação pessoal entre família, amigos e conhecidos.

No nosso entendimento, as expectativas em um novo ano, as boas expectativas, podem ser concretizadas a partir do momento que a sociedade tomar posse delas. Esse pertencimento vai fazer a diferença. Melhores caminhos serão possíveis se construídos coletivamente e com a liderança de pessoas que tenham retidão, transparência, caráter e força de trabalho. O aventureiro, o desleal e o corrupto devem ser excluídos.

Que seja um ano de muitas notícias boas.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email