sábado, 25
 de 
setembro
 de 
2021

Sem poder atender, academias e praças esportivas sofrem incógnita

Altevir Mielke lamenta não poder retomar as atividades do campo society. Foto: Arquivo/O RegionalAcademias e praças esportivas têm sido duramente afetadas pelas medidas de isolamento social impostas no combate ao novo coronavírus. Estes espaços estão fechados já há algumas semanas e não têm sequer uma previsão para a retomada das atividades.

Em Piên, a arena de futebol society Altevir Mielke é um dos estabelecimentos afetados com a paralisação. “Estamos respeitando as exigências e agindo dentro da lei. No entanto, é desanimador e preocupante todo este cenário”, relata o empresário Altevir Mielke, que teve que paralisar obras de melhorias que estavam em andamento. “Estou há menos de um ano atuando neste ramo. Foi um grande investimento inicial e continuamos trabalhando para melhorar o espaço, mas tivemos que interromper bruscamente todos os trabalhos e perdemos todas as receitas”, lamenta.

Para Mielke, a retomada das atividades poderia acontecer com a implantação de medidas protetivas. “Em muitos supermercados, agências bancárias e outros pontos vemos grandes aglomerações, até mesmo em ambientes fechados. Por isso, acredito que poderiam ter mecanismos que ampliassem os cuidados e assim facilitassem o reinício dos trabalhos, mesmo que em um primeiro momento houvesse restrições no número de pessoas e na quantidade de horários de jogos por dia”, opina o empresário.

Academia Attitude Corporal segue fechada e sem previsão para retomar o atendimento. Foto: Divulgação

Já em Campo do Tenente, a academia Attitude Corporal paralisou as atividades atendendo as recomendações da legislação. “É uma situação muito preocupante e que para muitos se tornará insustentável se isso perdurar por muito tempo”, relata o empresário Heron Herbert Pohlenz, que atende atualmente cerca de 30 alunos. “Tenho outra ocupação durante o dia e à noite trabalhava na academia. Felizmente, não pago aluguel e não tenho funcionário, caso contrário estaria numa situação muito mais delicada”, conta.

Apesar de respeitar as mudanças impostas, Heron acredita que a lei poderia flexibilizar o funcionamento das academias com novas regras. “Poderíamos fazer escala de alunos para atender em horários diversificados, evitando grandes aglomerações. Outro ponto seria redobrar a higienização dos equipamentos, entre outras alterações que poderiam ser impostas. Certamente, isso ajudaria a minimizar os grandes prejuízos que estamos tendo”, sugere.

Além das academias e praças esportivas, os decretos também limitam outros espaços onde pode haver aglomerações ou mesmo uso compartilhado dos objetos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email