sábado, 24
 de 
fevereiro
 de 
2024

Riscos Climáticos e Negócios

Neste mês de setembro li uma matéria na CNN Brasil a respeito da relevância dos riscos climáticos para negócios segundo executivos. Logicamente que este tema está contemplado nas políticas ESG (Práticas de cunho Ambiental, Social e Governança nas empresas). Alguns dados da pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças de São Paulo (Ibef-SP) me chamaram a atenção:

– 78% dos executivos consideram os riscos climáticos “relevantes” ou “muito relevantes” para os seus negócios;
– 41% das empresas com um faturamento acima de R$ 5 bilhões consideram como muito relevante as questões climáticas;
– Nas empresas de menor faturamento, até R$ 100 milhões, 19% fazem essa mesma classificação, enquanto 67% consideram como irrelevante;
– Para 53% dos participantes, suas empresas não possuem indicadores de sustentabilidade claros e harmônicos de acordo com padrões internacionais aceitos;
– 24% dos entrevistados indicaram que a ausência de um programa claramente definido representa uma das principais barreiras para que os temas ESG sejam incorporados à estratégia das organizações.

O que estes dados nos dizem? Que embora a maioria dos executivos compreendam a importância das práticas ESG, as empresas ainda têm muito a avançar neste campo. Podemos deduzir também que falta didática, clareza e organização comprometem os programas existentes.

Podemos então concluir que mesmo que as empresas ESG correm menos riscos de enfrentarem problemas jurídicos, trabalhistas, fraudes e/ou sofrer ações por impactos ao meio ambiente, ainda precisamos de uma gestão comprometida em literalmente catequisar todos os colaboradores sobre a importância destas práticas não apenas para a empresa diretamente, mas também para o planeta. Seria uma espécie de “redução de danos” do capitalismo selvagem.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email