terça-feira, 28
 de 
setembro
 de 
2021

Retorno às aulas exige adaptação de rotina

Mesmo seguindo o formato remoto, alunos devem organizar horários para a realização das atividades educacionais. Foto: Arquivo/O RegionalCom o retorno das aulas, ainda que no formato remoto, tanto na rede estadual quanto na municipal, a comunidade escolar já vem se mobilizando para fazer com que as atividades possam ser realizadas de maneira efetiva. Além disso, com a possibilidade de uma volta gradual das atividades presenciais, profissionais da educação, pais e estudantes seguem em acompanhamento das movimentações que possam indicar sobre a sequência do ano letivo.

Diante disso, a preocupação inicial é em relação ao desempenho dos alunos, que novamente precisarão se adaptar a rotina de estudos. Preparação do material escolar, uso de tecnologias e a organização dos horários estão entre as ações a serem realizadas.

A psicóloga Helen Domingues, que atua no Centro de Referência Especializado em Assistência Social (Creas) de Quitandinha, explica que a rotina é um fator de extrema importância nesse cenário, para todas as idades, sejam crianças, adolescentes, adultos, idosos. “Estar em casa requer o estabelecimento de uma rotina também. Desenvolva uma rotina diária: horário para acordar, fazer as refeições, fazer a higiene, estudar, assistir TV, jogar videogame, entre outras atividades e a hora de dormir. Não precisamos ser rígidos em relação aos horários, e sim podemos ser flexíveis dentro de uma hora próxima àquela que ela estava acostumada que seguia anterior à pandemia. Rotina é sinônimo de saúde mental, ela dá previsibilidade, nos proporciona um nível de organização exterior e interior que diminui estresse, medo, insegurança e dificuldades que são consequência da ausência da rotina”, detalha.

Segundo Helen, ao estar no ambiente familiar, é necessário proporcionar ao estudante um espaço físico adequado para o momento de estudos. “Esse espaço pode ser destinado somente aos estudos ou compartilhado para outros fins, entretanto deve estar limpo, organizado, ventilado e bem iluminado e o mais silencioso possível”, enfatiza a profissional, enaltecendo que todo início de ano letivo geram aos professores e pais sobre como fazer para conseguir que os alunos se interessem pelo conteúdo e se esforcem para aprender. “Ao considerar a complexidade do assunto, pontuo como dica prática a importância de pais e professores utilizar-se de estratégias motivadoras na aprendizagem escolar. A motivação, a aprendizagem significativa, conhecer o estudante em sua individualidade, contexto cultural, desenvolvimento cognitivo e emocional são fatores imprescindíveis para motivar adequadamente os estudantes. Identifiquem e procure reforçar os pontos positivos, a potencialidade de seu filho, do seu aluno, elogie o que ele tem de bom mesmo que ele apresente inúmeros pontos negativos em relação à aprendizagem”, pontua.

Por fim, a psicológica reforça a unidade entre a comunidade escolar para a eficácia do ano letivo. “É imprescindível buscar orientação da equipe pedagógica escolar, psicólogos escolares e demais profissionais necessários, para avaliar o desempenho escolar do aluno e desenvolver um plano de acompanhamento mais eficaz”, finaliza.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email