sábado, 19
 de 
junho
 de 
2021

Região corre risco de descumprir meta de matricular crianças de 6 a 14 anos

Agudos do Sul é um dos municípios que estão considerados no risco de descumprimento, segundo estudo. Foto: Arquivo/O RegionalUma plataforma lançada por tribunais de contas dos estados aponta que 89% dos municípios brasileiros estão com risco de descumprir a meta determinada pelo Plano Nacional de Educação (PNE) em que as cidades e estados têm até 2024 para garantir que todas as crianças e adolescentes, de seis a 14 anos, frequentem ou tenham concluído o ensino fundamental. Os dados constam na ferramenta TC Educa, relativos ao ano de 2017, último com informações disponíveis.

De acordo com a ferramenta, os municípios podem estar enquadrados em acima de 97%, entre 75% e 97%, entre 50% e 75% e entre 0% e 50%, classificados em ‘regular’, ‘insuficiência de dados’, ‘descumprimento’ e ‘risco de descumprimento’, além de meta em andamento. No suleste paranaense, dos dez municípios pesquisados, nove aparecem com a situação em ‘risco de descumprimento’ da meta e apenas Fazenda Rio Grande apresenta a situação ‘regular’, com índice de 115,39%.

Para o secretário municipal de Educação de Fazenda Rio Grande, Ednelson Queiroz Sobral, a responsabilidade da gestão pública em atender a demanda é fundamental visando o cumprimento da meta e os resultados alcançados no município. “Investir em mecanismos públicos com a ampliação da rede física de ensino, o mapeamento das crianças que estão fora da escola e o resgate para a sala de aula são ações de destaque no município”, aponta.

Em Agudos do Sul, onde a taxa de 2017 está em 78,63%, a administração pública tem ampliado o trabalho da Secretaria de Educação para buscar as crianças que estão fora da escola e, consequentemente, buscar o cumprimento da meta do PNE. “Formamos parcerias, trabalhando de forma conjunta em todas as secretarias do município. Sendo assim, os Agentes Comunitários de Saúde, com trabalho ativo dentro das residências e conhecendo todos os membros das famílias, nos repassam todas as informações acerca das crianças. Uma vez que uma criança é identificada fora da escola, estes profissionais nos comunicam e, juntamente com o Conselho Tutelar do município, fazemos uma visita à família para que essa criança seja matriculada na escola mais próxima de sua residência. Assim trabalhando, temos certeza que abrangemos quase a totalidade”, explica a secretária de Educação, Elaine Rocha Persch Anderle.

Segundo Elaine, o trabalho junto à família é uma condição para reduzir os índices de evasão escolar entre os alunos de seis a 14 anos e demais estudantes da rede municipal. “Trabalhamos também com as equipes pedagógicas das escolas e uma equipe inter setorial compostas por funcionários e especialistas da rede do município em contato direto com as escolas para que não haja evasão escolar. Uma vez detectada faltas consecutivas dos alunos, buscamos realizar trabalhos com a família para que este aluno retorne para a escola e não cause prejuízo na sua permanência. Também há cobranças diretas do Conselho Municipal de Educação para que esse trabalho seja contínuo”, finaliza.

Metodologia – O Sistema de Monitoramento e Expedição de Alertas foi concebido pelo Grupo de Trabalho Atricon-IRB com o intuito de acompanhar o cumprimento das metas do Plano Nacional de Educação (PNE). Por meio dos dos indicadores, tem-se um panorama da evolução dos estados, do Distrito Federal e dos municípios brasileiros no atingimento das metas do PNE, com destaque para situações ou risco de descumprimento. Nesses casos, alertas são emitidos aos administradores responsáveis. A plataforma acompanha o índice desde 2014 e utiliza dados da estimativa populacional de cada município e a quantidade de matrículas das escolas, divulgadas pelo Inep.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email