quinta-feira, 16
 de 
setembro
 de 
2021

Processo avança e julgamento da morte de Dreveck deve ser marcado

Famílias das vítimas cobram por Justiça e uma definição do julgamento. Foto: Arquivo/O RegionalApós avançar em várias etapas, o processo que investiga as mortes do prefeito eleito de Piên, Loir Dreveck, e do técnico de segurança do trabalho Genésio de Almeida está próximo de ter o julgamento marcado pela Justiça. Nesta semana, foi determinada a baixa do processo para a Comarca de Rio Negro, a qual deverá dar andamento nos procedimentos para a realização do júri popular.

As mortes de Dreveck e Almeida ocorreram em dezembro de 2016, quando ambos foram executados a tiros por motociclista na PR 420. Após as investigações iniciais, foram quatro pessoas presas, entre elas o ex-prefeito Gilberto Dranka e o então presidente da câmara de vereadores Leonides Maahs, tidos como suspeitos de serem mandantes dos crimes. Em seguida, todo processo foi encaminhado para a Comarca de Rio Negro, a qual analisou as provas e ouviu as testemunhas, emitindo parecer favorável à realização do júri popular.

A defesa dos acusados recorreu ao Tribunal de Justiça, que confirmou que o caso deve ir a júri, concedendo em fevereiro de 2018 a liberdade monitorada de três suspeitos, além de desqualificar o crime de associação criminosa, decisão esta que está sendo recorrida pelo Ministério Público. Posteriormente, todo o processo passou por uma longa etapa de digitalização e, na última quarta-feira, o relator do processo, desembargador Clayton Camargo, determinou que houvesse a baixa com urgência para a Comarca de Rio Negro.

Com esta alteração, a Justiça poderá dar andamento na realização do júri popular, sendo que os próximos passos devem ser a intimação das partes para que elas apresentem as provas que pretendem utilizar no julgamento, além do sorteio dos jurados e a definição da data. A expectativa é de que o julgamento aconteça ainda no primeiro semestre deste ano.

Recursos – Entre os recursos interpostos, a defesa dos acusados tem outros questionamentos em análise no Tribunal de Justiça, os quais podem até ser repassados para análise em outras esferas. No entanto, nenhum deles tem o efeito de suspensão, o que poderia impedir a realização do julgamento.

Defesa – Em recente contato, a defesa de Gilberto Dranka manteve a posição de que ele é inocente e de que as acusações teriam motivos políticos. Já o advogado de Leonides Maahs disse que seu cliente não tinha motivo algum para participar do crime.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email