domingo, 7
 de 
agosto
 de 
2022

Prefeituras ganham fôlego financeiro com novo parcelamento do INSS

Prefeitura de Mandirituba tem cerca de 8 milhões de reais de dívida da previdenciária. Foto: Arquivo/O RegionalUma importante pauta municipalista foi conquistada logo no primeiro dia da 20ª Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios, terça-feira. Prefeitos e vices da região suleste paranaense também estiveram na capital federal durante o evento, cuja programação foi encerrada ontem.

Na abertura da marcha, o presidente Michel Temer assinou Medida Provisória (MP) que estabelece o parcelamento da dívida previdenciária dos municípios em até 200 meses, a redução de 25% dos encargos, de 25% da multa e de 80% dos juros incidentes. Segundo Paulo Ziulkoski, presidente da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), a dívida previdenciária dos municípios chega atualmente a R$ 75 bilhões.

Estimativas mostram que, desse montante, 43% está na Receita Federal. Em relação a esse valor, o presidente da CNM afirmou que 42% se referem a multas, juros e encargos. Ziulkoski falou que os gestores devem se organizar para conseguir pagar esse novo parcelamento, a fim de evitar novos problemas posteriormente. O líder municipalista alertou ainda sobre a importância dos municípios migrarem para o Regime Próprio de Previdência Social (RPPS).

Na região, nem todas as cidades têm dívidas previdenciárias. Piên, por exemplo, segundo informações da prefeitura, não possui débitos com o INSS. Em Agudos do Sul, a dívida previdenciária está em R$ 736 mil; no início do ano foi iniciado um parcelamento de 48 meses.

Na prefeitura de Fazenda Rio Grande, de uma pendência inicial de R$ 4 milhões, restam cerca de R$ 2 milhões a serem pagos, de acordo com o prefeito Marcio Wozniack. “As dívidas são anteriores ao ano de 2001, antes mesmo da implantação da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). No parcelamento atual, o valor por mês é de R$ 80 mil”, conta o prefeito.

Segundo ele, a prefeitura vai aderir ao novo parcelamento em 200 meses. Com isso, o prefeito estima que o valor da parcela diminua para cerca de R$ 30 mil, o que dará um novo fôlego financeiro aos cofres municipais e assim a prefeitura terá condições de promover mais investimentos na cidade.

Outro município com grande montante de dívida previdenciária é Mandirituba. São cerca de R$ 8 milhões. Para saldar esse débito, que no caso mandiritubense é com o Mandiprev, o fundo de previdência dos servidores municipais de Mandirituba, a prefeitura vem pagando seis parcelamentos. Segundo o contador Cleverson Blenski, o município desembolsa, entre os parcelamentos e mais a parte patronal, mais de R$ 360 mil por mês. Ele explica que a expectativa da prefeitura é de que essa dívida com o fundo seja contemplada com a nova forma de parcelamento da medida do governo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email