segunda-feira, 15
 de 
agosto
 de 
2022

Paraná aposta em frutas e leite para diversificar produção rural

Produção de laranja no Paraná. Foto: Pedro Crusiol/AENO Paraná aposta na consolidação da diversificação da produção na pequena e média propriedade. Como resultado desse trabalho, que envolve pesquisa agronômica, assistência técnica no campo, capacitação de técnicos e produtores, parceria pública e privada e coordenação de políticas públicas, a fruticultura e produção de leite se destacam em um cenário predominantemente de grãos e despontam como setores importantes na geração de renda nas propriedades rurais.
Segundo o secretário da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, o Paraná trabalha em opções de ganhos sustentáveis aos agricultores, com o desenvolvimento de programas como fruticultura na região Noroeste e, recentemente, com a produção de abacaxi e maracujá. E investe em parcerias com a iniciativa privada para intensificar o treinamento dos produtores de leite, para eles aumentarem a eficiência na pequena e média propriedade rural.
De acordo com Francisco Simioni, diretor do Departamento de Economia Rural (Deral) da secretaria, a intensificação da produção de frutas e leite no Noroeste paranaense é favorecida pelo clima. Além disso, há mercados consumidores próximos, como o de Cascavel, Toledo, Foz do Iguaçu e de estados vizinhos, como Mato Grosso do Sul e São Paulo, onde podem ser comercializados parte da produção de forma agregada.
Segundo Simioni, com um sistema de produção bem planejado, espera-se que ocorra o crescimento a curto e médio prazo. “Os produtores estão cientes de que precisam diversificar as atividades nas pequenas e médias propriedades para geração de renda”, disse Siminoni. “Somente produzindo grãos eles não sobrevivem mais diante de um processo intensivo de modernização e ganhos de escala, como forma de driblar e amenizar os elevados custos de produção”, disse Simioni.
LARANJA – A produção de frutas no Estado ocupa uma área de 62.700 hectares, que proporciona um volume de 1,7 milhão de toneladas por ano e movimenta R$ 1,4 bilhão em faturamento bruto pago diretamente aos produtores.
A laranja é a principal fruta cultivada no Paraná, respondendo por 54% da produção total do setor, e corresponde a uma movimentação de R$ 315 milhões anuais, brutos.
A produção de laranja é concentrada na região Noroeste, onde estão instaladas duas fábricas de suco que absorvem a oferta da fruta na região, e cerca de 600 produtores vinculados aos projetos agroindustriais. Recentemente outro polo produtor se formou no município de Uraí, no Norte Pioneiro, onde está instalada a terceira fábrica de suco concentrado de laranja no Estado.
A produção de suco no Estado supera 50 mil toneladas por ano e é quase toda destinada a países da Europa, aos Estados Unidos e a uma pequena parte para o Oriente Médio, informou o engenheiro agrônomo Paulo Andrade, do Deral.
Segundo Andrade, o parque industrial e os pomares estão com estrutura consolidada. Porém o setor enfrenta as adversidades do mercado externo, como qualquer outra comoditie. Por causa disso, a laranja também sofreu os revezes do mercado internacional, em que o preço do suco caiu muito por conta de elevação dos estoques mundiais e da queda no consumo.
Com isso, a área total dos pomares comerciais, que era de 24,7 mil hectares, deverá ser readequada para 21,5 mil hectares neste ano. Porém, a sinalização de menor oferta da fruta já provocou reações no mercado, que está favorecendo o produtor, analisou Andrade.
Com a redução de área plantada, a projeção de produção também é menor neste ano. A colheita começou, com 40% da área plantada já colhida, e a estimativa é chegar 811 mil toneladas, cerca de 100 mil toneladas a menos que no ano passado, uma queda de 11%.
Além da área plantada menor, os pomares sofreram com o excesso de chuvas de maio a junho deste ano. Com expectativa de redução na oferta, o produtor está recebendo neste início de safra cerca de R$ 15,00 por caixa, uma reação de 50% em relação ao ano passado, quando recebeu R$ 10,50.
O Paraná tem um diferencial em relação aos demais estados, que é a produtividade elevada. O Noroeste paranaense, onde se concentra a produção de laranja, é uma região de transição climática, próxima ao trópico de Capricórnio, com temperaturas altas de dia e amenas à noite, o que confere cor e sabor intensos para a fruta. Esse diferencial faz o suco de laranja produzido no Paraná ser disputado no mercado externo.
No Brasil, colhe-se, em média, 553 caixas de 40,8 quilos por hectare, e em São Paulo, maior estado produtor, uma média de 625 caixas por hectare. Já no Noroeste do Paraná essa produtividade é de 923 caixas por hectare, tendo alguns pomares que chegam a colher 2.000 caixas por hectare, informou Andrade.
De acordo com o agrônomo, a produção de laranja no Noroeste do Estado passou a ser importante após a superação de restrições sanitárias que eram impostas em função do cancro cítrico, uma doença que ataca os pomares.
Graças à pesquisa no Iapar e à Agência de Desenvolvimento da Agropecuária (Adapar), que orienta o produtor a um manejo adequado de controle da doença de Greening, o produtor paranaense mantem os níveis de elevada produtividade.
LEITE – O leite também ganha espaço. O Paraná obteve 4,7 bilhões de litros no ano passado e quase encostou no Rio Grande do Sul, segundo estado que mais produz leite no País. O primeiro produtor é Minas Gerais.
A Secretaria da Agricultura e do Abastecimento e as empresas vinculadas Emater e Iapar concentram esforços no desenvolvimento de programas de fomento, como Leite Sudoeste, Leite Arenito e no Norte Pioneiro, para formação de polos de produção nessas regiões. Apesar disso, a região campeã em qualidade do leite continua sendo a dos Campos Gerais.
Segundo Fábio Mezadri, médico veterinário do Deral, a região Sudoeste se destaca como a maior bacia leiteira no Estado em volume de produção, graças às políticas públicas executadas nos últimos cinco anos
Neste ano, a atividade leiteira proporcionou uma elevação de 44% no preço recebido pelo produtor, mas essa reação foi acompanhada na mesma proporção pelo custo de produção, que em algumas propriedades subiu até 50%, salientou Mezadri.
Segundo ele, o produtor foi surpreendido pela elevação no custo dos equipamentos e medicamentos, muitos cotados em dólar, moeda que se manteve valorizada no primeiro semestre. Para agravar a situação, o custo da ração também aumentou, com a elevação de 67% nos preços do milho, um dos principais insumos utilizado na alimentação dos animais. E as áreas de pastagens de inverno, também usadas na alimentação dos animais, não tiveram bom desenvolvimento por causa das chuvas excessivas seguidas após o plantio.
Em julho deste ano, o produtor recebeu R$ 1,40 por litro de leite entregue, enquanto no mesmo período do ano passado recebeu R$ 0,97 por litro. Por outro lado, pagou R$ 34,69 a saca de milho para alimentação dos animais, enquanto no mesmo mês do ano passado pagou R$ 20,74 a saca.
Segundo o Deral, a tendência daqui para frente é que os preços baixem, porque os fatores que influenciaram na alta do produto estão mais amenos. O câmbio se acomodou e o clima começa a favorecer o desenvolvimento das pastagens de verão.
A tendência é fortalecer ainda mais a cadeia produtiva do leite. O Paraná é um dos integrantes da Aliança Láctea, formada há dois anos com Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Os três estados possuem características semelhantes de produção e buscam a formação de um polo diferenciado de leite no Brasil, com volume e qualidade, visando a exportação.
Juntos já produzem mais de 11 bilhões de litros de leite por ano, superando a produção da Argentina. Eles estão buscando se igualar nos aspectos de sanidade e qualidade da produção, tributários e de remuneração ao produtor.
Segundo Mezadri, esse é um desafio que, se vencido, vai influenciar no aumento da produção e na queda dos custos, além de atrair indústrias de elevada tecnologia para processamento.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email