quarta-feira, 12
 de 
junho
 de 
2024

Com apoio do Simepar, Corpo de Bombeiros lança operação contra incêndios florestais no Paraná

Lançada operação contra incêndios florestais no Paraná. Foto: Corpo de Bombeiros do Paraná
Lançada operação contra incêndios florestais no Paraná. Foto: Corpo de Bombeiros do Paraná
O Corpo de Bombeiros Militar do Paraná (CBMPR) deu início à operação Quati João – Prevenção e Combate a Incêndio Florestal. A operação ocorre pelo 4º ano consecutivo e tem como objetivo a prevenção, preparação e resposta aos incêndios florestais no Estado do Paraná, que costumam ocorrer nos meses mais secos, de junho a setembro

O Corpo de Bombeiros Militar do Paraná (CBMPR) deu início à operação Quati João – Prevenção e Combate a Incêndio Florestal. A operação ocorre pelo 4º ano consecutivo e tem como objetivo a prevenção, preparação e resposta aos incêndios florestais no Estado do Paraná, que costumam ocorrer nos meses mais secos, de junho a setembro. Os 419 novos bombeiros formandos recentemente também vão participar das ações.

O evento de lançamento aconteceu virtualmente com uma reunião entre o subcomandante-geral do CBMPR, coronel Antonio Geraldo Hiller, o representante do Corpo de Bombeiros no Previna e presidente da Câmara Técnica de Incêndios Florestais no CBMPR, tenente-coronel Rafael Lorenzetto, o chefe do setor de Planejamento do CBMPR, major Mikeil Petrus, além de todos os comandantes regionais, comandantes das unidades operacionais e outros militares.

“Quando observamos que há uma média de 7 mil incêndios florestais por ano no Paraná vemos a importância da atuação pautada na organização, na preparação de pessoal e nos equipamentos. Isso é primordial para que os danos e as perdas ocorridas em virtude desses incêndios sejam minimizados”, disse Hiller.

Foram apresentadas as fases da operação, que é voltada para atuação “em campo”, e foi firmada uma parceria do CBMPR com o Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar), que também fará parte da operação neste ano. “O Simepar nos entregará mais informações técnicas a respeito da climatologia e do tempo, que são elementos fundamentais a serem considerados na prevenção e no combate aos incêndios florestais”, completou.

O diretor de Relações Institucionais e Engenheiro Florestal do Simepar, Flávio Depp, e o coordenador da Área de Operação e Meteorologista, Marco Jusevicius, apresentaram um estudo com as previsões meteorológicas para os meses da operação e também demonstraram recursos tecnológicos que o instituto detém para elaborar previsões de incêndios e focos de calor provenientes de incêndios florestais.

Os meses de julho e agosto costumam ser os mais secos do ano. Com o frio intenso, associado a massas de ar de origem polar, também há formação de geadas em boa parte do Estado.

“Gerando dados e informações sobre alertas e avisos relacionados à questão de incêndios florestais, poderemos fornecer ao Corpo de Bombeiros auxílio para uma resposta mais eficiente no combate aos incêndios neste ano”, ressaltou Depp.

Mascote – A campanha conta com o mascote Quati João, que representa a fauna paranaense que é afetada pelos incêndios florestais. O nome João, que também faz parte do nome da operação, é uma homenagem ao precursor e entusiasta da matéria de “Combate a Incêndios Florestais” que faz parte do currículo do Curso de Formação dos Bombeiros.

Campanha no Paraná – Essa campanha de campo se soma a uma campanha de conscientização capitaneada pelo Governo do Paraná e diversas entidades da sociedade civil, lançada nesta semana. A Campanha de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais visa orientar a população sobre os riscos e consequências que o incêndio florestal pode trazer para o meio ambiente e a comunidade.

Entre as ações de conscientização previstas estão a distribuição de materiais educativos e orientações sobre como os incêndios começam, o que fazer ao avistar um foco de incêndio e como denunciar. O slogan é “Não temos tempo a perder. Precisamos evitar os incêndios florestais agora”.

Crime – A cada 10 incêndios florestais, nove são causados por alguma irresponsabilidade humana. Causar incêndios, mesmo que sem querer, é considerado crime e o infrator pode ser penalizado com reclusão de dois a quatro anos e multa que varia entre R$ 5 mil e R$ 50 milhões, dependendo do número de hectares afetados pelo fogo e dos danos causados à fauna e à flora. Atear fogo para limpar a vegetação, jogar lixo na beira de rodovias, acender fogueiras perto das árvores, fumar próximo a plantações e soltar balões são algumas das ações que podem dar início aos incêndios.

O que fazer – Ao avistar um foco de incêndio a orientação é de nunca tentar combater o fogo sozinho. Realizar este processo sem o treinamento adequado pode colocar a pessoa em perigo. A orientação é procurar um local seguro, avisar os vizinhos e acionar o Corpo de Bombeiros através do número 193.

Fonte: AEN

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email