sábado, 13
 de 
agosto
 de 
2022

O Combustível Sintético

Por Raphael Rolim de Moura 

O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas das Nações Unidas (IPCC) relata que para o aquecimento do planeta não superar 1,5°C sobre as temperaturas da era pré-industrial, é preciso que as emissões de dióxido de carbono (CO2) liberadas pela queima de combustíveis fósseis sejam reduzidas em 45% até o ano 2030. Uma das possíveis alternativas que surgiram nos últimos tempos é chamado de combustível sintético.

Estes combustíveis, embora sendo hidrocarbonetos como os combustíveis de origem fósseis, não são extraídos da terra. Por meio de eletrólise (processo que utiliza eletricidade), o hidrogênio é obtido separando-se os componentes da molécula de água, divide-se gás carbônico em carbono e oxigênio e fica com o carbono e em outro processo industrial, é possível unir o hidrogênio e o carbono, sintetizando-os uma cadeia de hidrocarboneto. Logicamente, se a energia utilizada não for de origem sustentável/ renovável, este processo não é limpo. A multinacional espanhola de energia e petroquímica Repsol, por exemplo, já tem em seu planejamento a construção no porto de Bilbao (Espanha) uma das maiores fábricas de combustíveis sintéticos do mundo. Ainda temos muito a ver de avança nesta área mas retorno o pensamento para o que hoje já é realidade.

Segundo a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), a matriz energética brasileira é formada por 48,4% de fontes renováveis e 51,6% não renováveis. O Brasil tem mais de 48% de fontes renováveis sendo a média mundial é de 14%. Este dado nos coloca como um país de matriz sustentável. Porém, devemos cada vez incentivar a produção de energia que não precise de grandes reservatórios de água causando impactos ambientais de grande vulto.

O Ministério de Minas e Energia (MME) divulgou há alguns anos um estudo que aponta para um cenário em 2029 onde as hidrelétricas passarão a responder por 42% da matriz elétrica, hoje respondem por 59%. A eólica avança de 9% para 16% e a solar fotovoltaica passará dos atuais 2% para 8%. Estas duas tecnologias são realidades e extremamente viáveis de implantação. Espero que consigamos com muito mais rapidez avançar nestas matrizes.



Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email