sábado, 25
 de 
setembro
 de 
2021

Nunca é demais falar de Biodiversidade (parte I)

Se procurarmos no dicionário o significado da palavra diversidade encontraremos ela como qualidade daquilo que é diverso, variado, variedade, conjunto variado, multiplicidade. Quando entramos em contato com o meio ambiente conseguimos ter a sensação da Biodiversidade traduzida na prática. A vida é de uma diversidade incrível. Muitas vezes nem sempre utilizamos para senti-la somente a visão e o tato, mas outros sentidos como paladar e olfato. Com o advento da Revolução Industrial, a partir do século XVIII, começamos a perceber que o impacto de nossas ações no planeta estava causando efeitos inesperados até aquele momento principalmente no meio ambiente. A política mundial começava a pautar o tema ambiental.

Após inúmeras discussões sobre o assunto a Organização das Nações Unidas (ONU) criou uma data especial para que celebrássemos a Biodiversidade do planeta. A data de 22 de maio de 1992 homenageia o documento elaborado na Convenção da Diversidade Biológica, chamado “Nairobi Final Act of the Conference for the Adoption of the Agreed Text of the Convention on Biological Diversity”. Embora a ciência tenha avançado consideravelmente no último século ainda não conseguimos ter o número exato de quantas espécies animais e vegetais estão presentes na Terra.

No Brasil, temos catalogadas 103.870 espécies animais e 43.020 espécies vegetais. Este número, representa aproximadamente 20% das espécies do planeta. Ainda que em 1981 tenha sido criada a Política Nacional do Meio Ambiente tendo como objetivo a preservação, melhoria e recuperação da qualidade ambiental propícia à vida, visando assegurar, no país, condições ao desenvolvimento socioeconômico, aos interesses da segurança nacional e à proteção da dignidade da vida humana ainda temos muito para avançar. Já em 2007, houve a criação do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Este Instituto tem como objetivo executar as ações do Sistema Nacional de Unidades de Conservação, podendo propor, implantar, gerir, proteger, fiscalizar e monitorar as Unidades de Conservação instituídas pela União. Enfim, precisamos fortalecer as políticas que garantam a nossa Biodiversidade.

Por: Raphael Rolim de Moura – Biólogo, Especialista em Gestão e Planejamento Ambiental, Mestre em Meio Ambiente e Desenvolvimento. Professor universitário e atualmente ocupa Diretoria na Comec

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email