quarta-feira, 10
 de 
agosto
 de 
2022

Números da região crescem em índice que avalia a educação

Roseli diz que investimentos realizados e conteúdo extra garantiram melhora na Lapa. Foto: Arquivo/O RegionalA educação no suleste paranaense mostrou melhora nos dois últimos anos na avaliação dos anos iniciais do ensino fundamental, mas os números ainda preocupam nas séries finais desta etapa. Isto é o que revela o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) de 2015, divulgado na última semana pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira.
A divulgação ocorre a cada dois anos. Em 2013, seis cidades da região haviam atingido a meta nas redes municipais; em 2015 foram sete. Além disso, quase todos os municípios melhoraram suas notas. O único do suleste que teve nota diminuída foi Piên, apesar de estar dentro da meta projetada para o ano. Também atingiram a meta Campo do Tenente, Fazenda Rio Grande, Lapa, Quitandinha, Rio Negro e Tijucas do Sul.
Nesta avaliação dos anos iniciais, até o 5º ano, o melhor índice foi o de Rio Negro, cujo Ideb de 2015 foi de 7,2, seguido de Quitandinha, que alcançou 6,4. A secretária municipal de Educação de Rio Negro, Jussara do Rocio Heide, relata ter recebido com alegria o resultado, que é, segundo ela, o reconhecimento do trabalho do dia a dia de todos os profissionais do setor. O prefeito quitandinhense, Márcio Rato, também credita o avanço aos educadores. “São eles que estão onde a educação acontece, na sala de aula”, destaca.
Já os números dos anos finais do ensino fundamental na região, dos colégios estaduais, exigem maior atenção. Na avaliação do 9º ano, em nenhuma cidade houve alcance da meta projetada. Além disso, em Agudos do Sul, Contenda, Piên e Rio Negro, os colégios viram suas médias cair em relação a 2013.
Nestes índices da rede estadual na região, a melhor média foi da Lapa, que alcançou 4,5. Em um dos colégios da cidade, o General Carneiro, a diretora auxiliar Roseli Maria Santos enaltece os investimentos realizados e os conteúdos extras buscados pelos professores. Em seguida veio a média de Quitandinha, com 4,4. O Ideb relaciona duas dimensões: o desempenho dos estudantes em avaliações de larga escala e a taxa aprovação. O índice varia de 0 a 10.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email