segunda-feira, 18
 de 
outubro
 de 
2021

Novo manejo diminuiu agrotóxicos no tomate e fomenta a produção

Lucimari isolada toda a verdura com pacotes especiais até o período da colheita. Foto: Arquivo/O RegionalDiversificar a produção agrícola e ampliar o conhecimento técnico são alguns pontos fundamentais para que a renda e a produtividade no campo sejam melhores. Na comunidade de Rio do Poço, em Quitandinha, a agricultora Lucimari Deda vem aliando estes fatores no cultivo de tomates e o resultado tem sido bastante positivo.

Ela conta que iniciou nesta atividade há três anos, quando foram plantados dois mil pés de tomate. “A minha família já se dedicava a esta cultura e eu decidi apostar”, recorda Lucimari. No entanto, a alta dosagem de agrotóxico fez com que a agricultora buscasse alternativas para diminuir os custos de produção e, principalmente, ofertar um produto de qualidade ao consumidor. “Em um evento em que participei a convite de Emater, o técnico da Embrapa apresentou uma nova fórmula de manejo. Entre as mudanças, está o isolamento do legume em um recipiente de papel”, detalha Lucimari, salientando que diminuiu 80% do uso de agrotóxico com as medidas apresentadas. “Hoje sinto que o alimento comercializado é de extrema qualidade, tem sabor, é saudável e benéfico para a saúde das pessoas. Outro ponto relevante, é que antes as perdas com pragas representavam cerca de 40% e agora são menos de 5%”, destaca.

Atualmente, a produção contabiliza 3,5 mil pés, sendo que a venda acontece no comércio local. “Semanalmente entregamos cerca de mil quilos de tomate para o Supermercado Negrelli. Cada quilo é vendido a R$ 4,00”, relata Lucimari, destacando todo o manejo que a produção exige. “É necessário toda uma estrutura para sustentar a planta, amarração, implantação de sistema de irrigação, adubação, colocação de pacotes, aplicação de produtos, desbrota, colheita e outros diversos serviços necessários. Estimamos que mais de 40% do valor da venda é destinado para cobrir os custos”, pontua. O plantio do tomate acontece de outubro a fevereiro, sendo que a planta produz com aproximadamente 130 dias.

Simone Negrelli destaca o apoio do supermercado na compra dos produtos originários da região e de qualidade. Foto: Arquivo/O Regional

Para a gerente do Supermercado Negrelli de Quitandinha, Simone Negrelli, a qualificação da produção agrícola local é essencial e muito bem-vinda. “Nós, como comerciantes, temos o compromisso em levar o melhor produto possível ao consumidor final. Paralelamente, sabemos o quanto é importante valorizar a agricultura da região, gerando emprego e renda aos produtores, fazendo com que o dinheiro também circule na cidade”, enfatiza.

Emater – O extensionista da Emater de Quitandinha, Jhonatan Eduard Assumpção Santos, destacou a importância dos agricultores se atualizarem quanto às novas técnicas. “Percebemos que o produtor que vai em busca de conhecimento e implanta as mudanças propostas tem resultado muito melhor”, ressalta Jhonatan, alertando para o mercado consumidor cada vez mais exigente. “As normas continuamente estão ficando mais duras e é preciso se adequar para não perder espaço. Por isso, buscamos auxiliar neste processo, visando produtos de qualidade, com menos agrotóxicos, mantendo também motivado o homem do campo a seguir na atividade com a boa rentabilidade obtida”, concluiu.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email