terça-feira, 24
 de 
maio
 de 
2022

Municípios terão centro para exames e consultas especializadas

Prefeitos participaram de assembleia geral do consórcio nesta semana. Foto Barbosa JuniorDevido à grande demanda, o acesso a consultas e exames especializados pode levar meses de espera para os pacientes em toda a região. Para agilizar este processo, foi criado pelos municípios o Consórcio Metropolitano de Saúde do Paraná (Comesp), o qual anunciou, em assembleia geral nesta semana, a criação de um centro de especialidades, que deverá entrar em funcionamento no primeiro trimestre de 2018.

Através deste centro, os municípios integrados terão acesso a uma série de exames e consultas especializadas, atingindo linhas guia que englobam gestantes e crianças, hipertensos, diabéticos, idosos e saúde mental. A intenção é ampliar a oferta de especialidades, diminuindo as filas e o tempo de espera pelo atendimento. “Este serviço será custeado através de convênio com o estado e com os valores que serão repassados pelas prefeituras ao Comesp”, detalhou a presidente da entidade, Beti Pavin. A implantação do centro de especialidades segue na pauta da direção do consórcio e será debatida na próxima assembleia geral com os prefeitos, onde deverá ser decidido também em qual município a estrutura será efetivada.

Na região, Piên é a única cidade que ainda não integra o consórcio, mas manifestou o interesse. “O Comesp já aprovou a intenção desta adesão, solicitada também pela cidade de Campo Largo. Isso certamente fortalecerá a entidade e ajudará os municípios na busca por resolver este impasse, levando à população um atendimento de qualidade e com maior agilidade”, pontuou Beti.

De acordo com a secretária municipal de Saúde de Piên, Ângela Grosskopf, o Comesp é fundamental para a melhoria do atendimento. “Estamos cumprindo toda a parte burocrática para participar deste consórcio. Atualmente, somos integrados ao Sisnordeste, que é de Santa Catarina, e temos os exames e consultas cedidas pelo estado. No entanto, isso não atende à demanda, que em alguns casos chega a meses de espera”, relata Ângela. “Em relação a consultas, a maior solicitação está em oftalmologia, já os exames mais requisitados são ultrassonografia e ressonância magnética. Certamente, este novo consórcio fará com que complementemos as necessidades e possamos atender com maior agilidade as solicitações”, concluiu.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email