terça-feira, 15
 de 
junho
 de 
2021

Morte de macacos alerta para a possível presença da febre amarela

Vigilância fez o recolhimento de macacos encontrados mortos no bairro de Trigolândia, em Piên. Foto: Divulgação/Secretaria de Saúde de PiênCidades da região estão em alerta em relação a presença do vírus da febre amarela após o aparecimento de macacos (bugios) mortos nos últimos dias. Conforme o boletim da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), divulgado na última quarta-feira, são sete novos casos de epizootias no Paraná, somando 40 casos confirmados de morte de macacos com febre amarela e outros 104 em investigação.

No suleste paranaense, o informe aponta para duas mortes de primatas em Mandirituba e Rio Negro, além de 12 casos em investigação distribuídos nas cidades de Contenda, Lapa, Piên e Quitandinha. Até o momento, não foram registrados casos de febre amarela em humano.

O secretário da Saúde de Piên, Jair Batista, reforça que não há, ainda, a confirmação da circulação do vírus no município, no entanto, a morte dos macacos serve como sinal de alerta. “Orientamos as pessoas que verifiquem sua carteirinha de vacinação e, caso ainda não tenham tomado a vacina da febre amarela, que procurem o posto de saúde central para ser vacinado. Pessoas acima de 60 anos, que ainda não tenham sido vacinadas somente receberão a vacina com prescrição médica. Crianças acima de 9 meses também precisam estar vacinadas contra a doença e devem receber um reforço aos 4 anos de idade. As gestantes não poderão ser vacinadas”, detalha.

A coordenadora da Vigilância Epidemiologia de Rio Negro, Anna Paula Kühl Alves, orienta os moradores sobre o que fazer ao encontrar macacos mortos. “A equipe da Vigilância deve ser acionada imediatamente. O animal será recolhido e encaminhado para os devidos exames com o objetivo de identificar ou não a presença do vírus”, detalha Anna Paula, apontando as ações adotadas para o município visando a prevenção à doença. “Montamos um planejamento estratégico, intensificaremos a busca ativa pelas pessoas que não receberam a vacina e vamos ampliar a divulgação nos meios de comunicação sobre a conscientização de não matar os macacos. A população pode nos acionar nos telefones (47) 3642 8693 ou no (47) 99174 1014”, finaliza.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email